Ir direto para menu de acessibilidade.
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Ações e Programas
  4. >
  5. Política Nacional de Saúde Bucal
  6. >
  7. Vigilância Em Saúde Bucal
Início do conteúdo da página

Política Nacional de Saúde Bucal

Vigilância Em Saúde Bucal

Publicado: Quinta, 22 de Outubro de 2015, 11h30 | Última atualização em Sexta, 18 de Agosto de 2017, 15h41

Vigilância Epidemiológica

Confira a Pesquisa Nacional de Saúde

Levantamento das condições de saúde bucal da população brasileira - SB Brasil 2010

Pesquisa Nacional de Saúde Bucal 

Projeto

Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal: Brasil, zona urbana,1986

Levantamento das condições de saúde bucal da população brasileira - SB Brasil 2003

O SB Brasil, o maior e mais amplo levantamento em saúde bucal já feito em nosso país, foi finalizado em 2003. Reuniu, ao todo, informações de mais de 100 mil exames, realizados em todas as regiões do país, e mapeou a saúde bucal do povo brasileiro. Os dados dessa pesquisa orientam a condução das ações do Brasil Sorridente.

Vigilância Sanitária

Fluoretação

Entende-se que o acesso à água tratada e fluoretada é fundamental para as condições de saúde da população. Assim, viabilizar políticas públicas que garantam a implantação da fluoretação das águas, ampliação do programa aos municípios com sistemas de tratamento é a forma mais abrangente e socialmente justa de acesso ao flúor.

Neste sentido, desenvolver ações intersetoriais para ampliar a fluoretação das águas no Brasil é uma prioridade governamental, garantindo-se continuidade e teores adequados nos termos da Lei 6.050/1974 e normas complementares, com a criação e/ou desenvolvimento de sistemas de vigilância compatíveis. 

A comparação entre os dados obtidos no Levantamento das Condições de Saúde Bucal da População Brasileira – SB Brasil – relativos ao CPO-D (número médio de dentes cariados, perdidos ou obturados por indivíduo) dos municípios que têm água fluoretada e dos que não têm apontou notáveis diferenças. O CPO-D nas crianças de 12 anos e adolescentes dos municípios que têm água fluoretada foi de 2,27 e 5,69, respectivamente. 

Já nos municípios que não têm flúor na água, o CPO-D médio das crianças de 12 anos foi de 3,38 (49% maior) e dos adolescentes de 6,56 (15% maior). Entre 2005 e dezembro de 2008, foram implantados, mediante ação conjunta com a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) e mediante convênios com as Secretarias Estaduais de Saúde, 711 novos sistemas de fluoretação implantados, abrangendo 503 Municípios em 11 Estados, beneficiando 7,6 milhões de pessoas.

Qualificação profissional e científica

O Ministério da Saúde através do Departamento de Ciência e Tecnologia/SCTIE e da Coordenação-Geral de Saúde Bucal/DAB/SAS em conjunto com o Ministério de Ciência e Tecnologia destinou desde 2002/2003 até 2011 R$ 5.728.574,43 milhões para pesquisa em saúde bucal. Foram aprovados no total 128 Projetos de Pesquisa na Subagenda de Saúde Bucal.

Em 2012, o Ministério da Saúde destinou mais R$ 2 milhões para pesquisa em saúde bucal.

Essa iniciativa teve o objetivo de expandir a produção do conhecimento básico aplicado em saúde bucal, contribuindo para o desenvolvimento de ações públicas voltadas para a melhoria das condições de saúde e para a superação das desigualdades. Também atende a uma antiga reivindicação dos pesquisadores odontológicos que, a partir de agora, vêm tendo o apoio efetivo do Ministério da Saúde para construir os conhecimentos que o Brasil precisa nesta área.

Documentos relacionados

Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal

Fim do conteúdo da página