Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Todas as crianças de 6 meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas contra o sarampo

Início do conteúdo da página

Ministério da Saúde doa medicamento para tratamento da raiva humana

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quarta, 18 de Outubro de 2017, 10h24 | Última atualização em Quarta, 18 de Outubro de 2017, 14h54

 

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) encaminhou no último dia 06 de outubro de 2017, em caráter de urgência, pedido de doação do medicamento sapropterina, para tratamento da raiva humana, com a finalidade de atender uma criança de dois anos, do sexo masculino, que foi atacado por um animal doméstico, em setembro de 2017, na República Dominicana.

O medicamento, que faz parte da Relação Nacional de Medicamentos – RENAME, foi disponibilizado pelo Ministério da Saúde para doação, levando em consideração o cálculo quantitativo, de maneira que fosse assegurando a cobertura completa do tratamento do paciente, de acordo com o peso da criança e a embalagem do produto (quantitativo de comprimidos/caixa).

Ao todo, 120 comprimidos foram enviados ao País. Essa quantidade é suficiente para garantir a cobertura do tratamento por aproximadamente 5 (cinco) meses, conforme o Protocolo Clínico de Tratamento da Raiva Humana. Os trâmites documentais foram finalizados no dia 10 de outubro.  

RAIVA HUMANA - A raiva é uma grave doença infecciosa causada pelo vírus do gênero Lyssavirus, da família Rhabdoviridae, que leva ao óbito praticamente 100% dos pacientes contaminados.

A doença é transmitida somente por animais mamíferos, geralmente através da mordida e inoculação do vírus presente na saliva dentro da pele. O vírus da raiva tem atração pelas células do sistema nervoso, invadindo imediatamente os nervos periféricos após ser inoculado através da pele.

MEDICAMENTO - Com base em estudos baseados em evidências, o Ministério da Saúde publicou em 2011, o Protocolo de Tratamento da Raiva Humana no Brasil, onde é recomendado o uso da sapropterina dicloridrato 2mg/kg via enteral de 8/8 horas. No decorrer do tratamento e mediante monitoramento clínico dos níveis da enzima BH4, o paciente pode necessitar fazer reposição da enzima por meio da administração de Sapropterina.

A OPAS, responsável pelo transporte do medicamento, enviou a carga no dia seguinte informando a previsão de chegada ao país de destino para última sexta-feira. Informou ainda que o medicamento estará disponível para dar início ao tratamento, nesta segunda-feira (16).

 

 

Por José Vidal, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa

(61) 3315- 3580/2351

Assuntos em destaques

Fim do conteúdo da página