Ir direto para menu de acessibilidade.
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Últimas notícias
  4. >
  5. Agência Saúde
  6. >
  7. Hospital Federal de Ipanema comemora 62 anos com três novos serviços
Início do conteúdo da página

Hospital Federal de Ipanema comemora 62 anos com três novos serviços

Escrito por Tatiana Teles | Publicado: Segunda, 23 de Outubro de 2017, 14h23 | Última atualização em Terça, 24 de Outubro de 2017, 17h14

 

Unidade passa a realizar cirurgias mais avançadas para retirada de tumor de câncer de bexiga e de rim, além de transplantes de córneas

Unidade do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro, o Hospital Federal de Ipanema (HFI) completa 62 anos no próximo dia 30 com novos serviços para a população: a retomada dos transplantes de córneas, o início das cirurgias de videolaparoscopia para a retirada de cânceres e outros tumores de bexiga e de rim, e a implantação de um centro ortopédico de joelho e quadril. O avanços vêm de encontro à reestruturação dos hospitais federais coordenada pelo Departamento de Gestão Hospitalar (DGH), que prevê a ampliação do serviço de média e alta complexidade assistencial. Na ação, é previsto o aumento de 20% do atendimento de oncologia, ortopedia e cardiologia na rede hospitalar - além do HFI, também formada pelos hospitais federais do Andaraí, da Lagoa, dos Servidores do Estado, Cardoso Fontes e de Bonsucesso. O primeiro paciente deste novo ciclo de transplantes de córnea no hospital, o porteiro Waltierlhison Amaral da Silva, 20 anos, operou o olho esquerdo no último dia 5 de outubro. “A cirurgia foi um sucesso. Antes, eu não conseguia enxergar nada, agora já vejo embaçado e, daqui a um tempo, minha visão vai melhorar ainda mais”, comemora. “Fui liberado do hospital um dia depois do transplante, após fazer todos os curativos. Não sinto incômodo nem dor”. A coordenadora assistencial da unidade, Claudia Machado, explica que as córneas utilizadas nos transplantes do HFI vêm do Banco Multitecidos do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (INTO), também pertencente à rede Ministério da Saúde no Rio de Janeiro, e aponta que há a tendência de aumento do fluxo de cirurgias desse tipo. O HFI já está recebendo pacientes tratados em outros hospitais da rede, como o da Lagoa e dos Servidores do Estado, para a realização dos transplantes. ALTA COMPLEXIDADE - A videolaparoscopia para a retirada de tumores é um tipo avançado de cirurgia, na qual microcâmeras são introduzidas no corpo do paciente, gerando imagens em computador. O serviço teve início no último mês de setembro - laparoscopias de próstata já eram realizadas no HFI há 10 anos, mas agora passaram a ser utilizadas para tratar cânceres. A técnica permite a realização de cirurgias sem cortes extensos. Responsável pelo setor de Uro-oncologia do HFI, Lessandro Curcio explica que a técnica diminui o tempo de cirurgia, o sangramento do paciente e a dor no período pós-operatório, além de propiciar uma recuperação mais ágil do paciente. “Estes novos serviços atendem uma demanda reprimida no estado do Rio de Janeiro e estão no rol de cirurgias de alta complexidade definidas pelo Ministério da Saúde para o Hospital Federal de Ipanema. Entre elas, há a cirurgia de quadril e joelho, também de alta complexidade, e o incremento das cirurgias oftalmológicas”, ressalta o diretor do HFI, Benito Accetta. Entre os procedimentos de alta complexidade no HFI, ainda se destacam: cirurgias para retirada de tumores altamente agressivos de pâncreas; de endometriose profunda; de correção de incontinência urinária em mulheres com a colocação de slim; plásticas reparadoras com implantes de próteses depois de mastectomias radicais; cirugias bariátricas por vídeo; e de câncer de próstata. AUMENTO DE 20% NAS CIRURGIAS - O Hospital Federal de Ipanema registrou aumento de 20% nas cirurgias de janeiro a agosto deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. Houve 5.734 procedimentos cirúrgicos de média e alta complexidade nos oito primeiros meses do ano na unidade - haviam sido 4.801 no mesmo período de 2016. Há crescimento tanto das internações quanto das consultas e atendimentos de emergência aos pacientes do HFI. Na rede de seis hospitais do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro, houve 31.807 cirurgias no período. A diminuição da fila cirúrgica foi de 17 mil procedimentos em espera, em janeiro, para 6,8 mil, atualmente - uma redução de 60%. Por Géssica Trindade, Ascom MS/RJ
Atendimento à imprensa
(21) 3985-7475 / 7444

 

Fim do conteúdo da página