Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

INFORME AS DOSES E ESTOQUES DAS VACINAS EM SEU MUNICÍPIO ATÉ 30/11

Início do conteúdo da página

Ministro da Saúde é homenageado por apoio à erradicação da pólio no mundo

Escrito por Leonardo | | Publicado: Terça, 24 de Outubro de 2017, 17h30 | Última atualização em Quinta, 26 de Outubro de 2017, 14h15

No Dia Mundial de Combate à Pólio, a instituição global Rotary International (RI) reconheceu os esforços do governo em cooperar, com as experiências bem-sucedidas do Brasil, para a erradicação da doença. Brasil eliminou a doença há 28 anos

Foto: Rodrigo Nunes/MS

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, foi homenageado nesta terça-feira (24) pela instituição Rotary International (RI) pelo apoio e liderança exercida pela pasta no compromisso internacional para alcançar a erradicação da poliomielite no mundo. A homenagem foi motivada após o ministro Ricardo Barros levar o tema às discussões do G20, em maio deste ano. Na ocasião, a temática foi apoiada por ministros da saúde e chefes de estado de todo o mundo. O artista plástico, Darlan Rosa, criador do personagem Zé Gotinha, símbolo da imunização no Brasil, também foi homenageado durante a II Reunião do Comitê Técnico Assessor de Imunizações (CTAI), que acontece em Brasília.

RÁDIO

Embora o Brasil esteja livre da poliomielite há 28 anos, desde 1990, após bem-sucedidas campanhas de vacinação, o Ministério da Saúde continua determinado a lutar pela prevenção, controle, eliminação e até erradicação de algumas doenças imunopreviníveis. Neste sentido, a parceria com instituições governamentais e não governamentais é fundamental para que se mantenha a eliminação da poliomielite no Brasil e a meta de erradicação no mundo. Se erradicada, a poliomielite será a segunda doença no mundo a ser erradicada, depois da varíola.

Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, é importante que as ações de vacinação e vigilância possam ser desenvolvidas de forma ativa, visando a garantia da manutenção desta conquista do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. “As coberturas vacinais municipais ainda são heterogêneas no Brasil, podendo levar a formação de bolsões de pessoas não vacinadas, possibilitando, assim, a reintrodução do poliovírus favorecido pelo fluxo de viajantes. Por isso, é necessário que todas as crianças de 2 meses a menores de 5 anos de idade compareçam aos postos de saúde para serem vacinadas”, disse o ministro Ricardo Barros.

A erradicação da poliomielite é a principal prioridade do Rotary em âmbito global. Desde 1985, a instituição tem trabalhado por meio da Iniciativa Global de Erradicação da Pólio (GPEI), imunizando bilhões de crianças em todo o mundo. Em 2013, o Ministério da Saúde, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Rotary International (RI) assinaram um compromisso para erradicação da poliomielite para discutir o Plano Estratégico Endgame e a Erradicação da Pólio (2013-2018), elaborado na Assembleia Mundial de Saúde em 2012. O governo brasileiro assumiu o compromisso de apoiar ações que ajudem a combater a erradicação da pólio como uma emergência programática global para saúde pública.

CENÁRIO MUNDIAL - Atualmente, mais de 80% da população mundial vive em regiões certificadas como livre da poliomielite. Três países ainda convivem com circulação do poliovírus selvagem: Afeganistão, Nigéria e Paquistão. Em 1994, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) o Certificado da Erradicação da Transmissão Autóctone do Poliovírus Selvagem, juntamente com os demais países das Américas (Norte, Central e Sul).

MUDANÇA ESQUEMA VACINAL - Desde 2016, o esquema vacinal contra a poliomielite passou a ser de três doses da vacina injetável – VIP (2, 4 e 6 meses) e mais duas doses de reforço com a vacina poliomielite oral bivalente – VOP (gotinha).  Até 2015, o esquema era de duas injetáveis (VIP) e três da vacina oral poliomielite trivalente (VOP).  A mudança está de acordo com a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS) e como parte do processo de erradicação mundial da pólio.

 

Por Amanda Mendes, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa
(61) 3315- 2351 / 3580 / 2745

 

Fim do conteúdo da página