Ir direto para menu de acessibilidade.
Novo Coronavírus - tire suas dúvidas
Banner teleSUS clique aqui
Início do conteúdo da página

Expedição da Saúde no DSEI Alto Rio Juruá tem resultados positivos

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Terça, 07 de Novembro de 2017, 18h00 | Última atualização em Quarta, 08 de Novembro de 2017, 14h10

 

Em 10 dias de mutirão, cerca de 6 mil indígenas receberam algum tipo de atendimento de saúde na Aldeia Morada Nova

Foram 4.451 atendimentos médicos e odontológicos, 5.699 exames e procedimentos e 400 cirurgias realizadas pelos 65 voluntários da 39ª Expedição da Saúde, realizada entre os dias 25 de outubro e 3 de novembro, na Aldeia Morada Nova, município de Feijó, no Acre (AC). Além disso, os 124 trabalhadores do Distrito Sanitário Especial Indígena Alto Rio Juruá (DSEI ARJ), que apoiaram as ações da EDS em diversas atividades, das cozinhas ao centro cirúrgico, também realizaram 608 testes rápidos para detecção de hepatites B e C, HIV e sífilis e outros 94 da gota espessa, para malária, bem como 301 consultas médicas.

                                                            Foto: Sesai/MS

DSEI ARJ/SESAI/MS apoiaram a realização da 39ª Expedição da Saúde – Feijo/AC, 25.10 a 03.11.2017.

A expedição também contou com a parceria de militares do Exército e da Aeronáutica e também com a colaboração de 40 voluntários indígenas. “Mobilizamos todos os trabalhadores do DSEI, para que pudéssemos alcançar esse resultado”, afirma a coordenadora do DSEI ARJ, Milena Lopes da Silva. Ao longo dos 10 dias da 39ª EDS, pelo menos 6 mil indígenas receberam algum tipo de atendimento, a maioria deles transportada em veículos do Exército e aeronaves da Aeronáutica, além de aviões e helicópteros locados pelo próprio DSEI.

Para alimentar os trabalhadores do DSEI, os voluntários indígenas e os pacientes, cerca de 13 toneladas de alimentos e bebidas passaram pelas cozinhas da aldeia e também da chácara alugada para abrigar pacientes à espera de atendimento ou de transporte para retornar a suas residências. Nos dias de maior movimento, a chácara chegou a abrigar 175 pacientes e acompanhantes. “Além de garantir o bem-estar dos indígenas hospedados aqui, tivemos a missão de sensibilizar todos eles sobre a necessidade do tratamento que fariam, principalmente quando tinham indicação para cirurgia, porque eles têm resistência a esse procedimento, aí a gente tinha que conversar, tranquilizar aqueles que estavam querendo desistir”, disse o assistente social, Maridelson Almeida de Oliveira, que atua na Casa de Saúde Indígena (CASAI) de Mâncio Lima (AC).

O trabalho do DSEI ARJ começou muito antes do início da expedição, com a triagem de pacientes com indicação para as cirurgias de hérnias e catarata. “Em outubro, não houve entrada das equipes em área para as atividades rotineiras, todos os trabalhadores das EMSIs (Equipes Multidisciplinares de saúde Indígena) estavam incumbidos de garantir que os pacientes já triados estivessem nos pontos estratégicos do transporte”, explicou o chefe da Divisão de Atenção à Saúde Indígena (Diasi) do DSEI ARJ, Paulo Roberto Rodrigues da Silva. Segundo ele, a expedição diminuiu significativamente a demanda reprimida para estes tipos de cirurgia no território de abrangência do DSEI.

A preparação para a 39ª EDS também exigiu empenho dos trabalhadores do setor de saneamento e engenharia do DSEI ARJ. Foram realizadas melhorias nas redes elétrica e hidráulica da aldeia, além de construção de cozinhas, refeitórios e banheiros, entre outras obras.

Para comemorar o sucesso da empreitada, os trabalhadores do DSEI ARJ reuniram-se na sede do DSEI, na tarde desta segunda-feira (6), para uma confraternização, na qual a coordenadora do distrito agradeceu o empenho de todos os trabalhadores.

Resgates – Mesmo com a dedicação exclusiva às atividades na Aldeia Morada Nova, a equipe do DSEI conseguiu providenciar o resgate de cinco indígenas de aldeias no município de Jordão. No dia 28 de outubro, foram acionados para socorrer dois bebês – um de seis meses, com suspeita de traumatismo crânio-encefálico, após uma queda, e outro de nove meses, com sintomas de tuberculose e desnutrição – e também uma jovem de 19 anos, que estava com apendicite supurada. No dia 29, o resgate foi de uma mulher vítima de acidente com serpente e, no dia 30, foi a vez de prestar socorro a um recém-nascido que teve parada cardiorrespiratória. Com exceção do bebê com suspeita de traumatismo craniano, que não sobreviveu, todos estão internados no Hospital Regional do Juruá, em Cruzeiro do Sul.

 

Por Beth Almeida, do Nucom Sesai
Atendimento à Imprensa
(61) 3315-3580/2351/2745

 

 

 

 

Fim do conteúdo da página