Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

INFORME AS DOSES E ESTOQUES DAS VACINAS EM SEU MUNICÍPIO ATÉ 30/11

Início do conteúdo da página

São Paulo terá 17 aceleradores lineares para atendimento em radioterapia

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Segunda, 27 de Novembro de 2017, 18h47 | Última atualização em Segunda, 27 de Novembro de 2017, 18h47

O 1º aparelho no estado entrará em funcionamento este ano. Outros 16 hospitais estão com projetos em andamento pelo Plano de Expansão da Radioterapia

A população de São Paulo terá, ainda neste ano, o primeiro acelerador linear do estado, pertencente ao Plano de Expansão da Radioterapia do Ministério da Saúde. A obra do bunker - espaço destinado para a instalação do aparelho – do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC) já está 61% concluída e aguarda a chegada e instalação do equipamento.  Ao todo, foram investidos mais de R$ 5 milhões na compra do equipamento e construção do local adequado. Com os aparelhos, será ampliado o atendimento de radioterapia no estado, o que irá permitir um melhor tratamento oncológico aos pacientes. A inauguração está prevista para acontecer no mês de dezembro. Outros 16 hospitais, em todo o estado, devem receber um acelerador linear do plano, que começam a operar entre 2018 e 2019.

Os projetos dos hospitais: Estadual de Bauru, Santa Casa de Misericórdia de Limeira, Santa Casa de Misericórdia Dona Carolina Malheiros, do Câncer, Santa Marcelina, São Paulo, Santa Casa de Sorocaba, Regional do Vale do Paraíba, Universitário São Francisco, São Francisco de Assis, Municipal Dr. Tabajara Ramos, Regional do Vale da Ribeira, Regional de Presidente Prudente, Estadual Mário Covas, Anchieta Fundação ABC e Conjunto Hospitalar de Sorocaba, serão executados dentro das atividades previstas do Plano de Expansão da Radioterapia, visto que os aceleradores lineares são equipamentos de altíssima complexidade tecnológica e não podem ser instalados sem os devidos cuidados com a proteção radiológica. As instalações exigem espaço físico com características peculiares e distintas das construções tradicionais de estabelecimentos e unidades de saúde, uma vez que envolve, por exemplo, sistemas de climatização específicos, refrigeração da água, sistema elétrico diferenciado e maior espessura das paredes.

Desde que assumiu a gestão do Ministério da Saúde, o ministro Ricardo Barros, já entregou cinco aceleradores lineares pelo Plano de Expansão da Radioterapia, nas cidades de Campina Grande (PB), Maceió (AL), Feira de Santana (BA), Brasília (DF) e Curitiba (PR). “O programa vai ampliar o acesso da população a procedimentos oncológicos no SUS, além de trazer para o país o desenvolvimento industrial e o fortalecimento do parque tecnológico”, reforçou o ministro.

Ainda neste ano, estão programadas as entregas de outros equipamentos de radioterapia. Ao todo, cerca de R$ 500 milhões foram investidos para a aquisição de 80 aceleradores lineares, além da realização de projetos e obras. Outros 20 ainda devem ser adquiridos, totalizando 100 aparelhos distribuídos em todas as regiões do país. Os novos equipamentos, que serão adquiridos, viabilizará uma economia de aproximadamente R$ 25 milhões em relação ao que era realizado por meio de convênios.

ASSISTÊNCIA – Nos últimos anos, observou-se uma crescente oferta da radioterapia no país. Em 2010, foram realizados 8,3 milhões procedimentos de radioterapia. Em 2016, foram 10,45 milhões, um aumento de 25,9%. Vale ressaltar que essa ampliação também é resultado do investimento realizado pelo Ministério da Saúde na compra de aceleradores lineares, por meio de convênios. Consequentemente, a pasta ampliou, em seis anos, 46% os recursos para tratamentos oncológicos (cirurgias, radioterapias e quimioterapias), passando de R$ 2,27 bilhões, em 2010, para R$ 3,33 bilhões, em 2016. Em 2017, até o momento, foram investidos R$ 672,8 milhões. Somados a esses valores, há ainda os recursos relacionados às ações de média complexidade, como consulta com especialista e realização de exames, além dos medicamentos oncológicos.

Por Victor Maciel, da Agência Saúde 
Atendimento à imprensa – Ascom/MS
(61) 3315-3174/3580

 

 

Fim do conteúdo da página