Ir direto para menu de acessibilidade.
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Últimas notícias
  4. >
  5. Agência Saúde
  6. >
  7. Pessoas com doença hepática paramiloidose terão medicamento para tratamento no SUS
Início do conteúdo da página

Pessoas com doença hepática paramiloidose terão medicamento para tratamento no SUS

Escrito por Tatiana Teles | Publicado: Quinta, 18 de Janeiro de 2018, 15h58 | Última atualização em Quinta, 18 de Janeiro de 2018, 16h00

Medicação é a única com registro no país e garante melhor qualidade de vida aos usuários

Quem sofre com a doença rara Polineuropatia Amilodóitica Familiar (ou paramiloidose), mais conhecida pela sigla PAF, contará com o Sistema Único de Saúde para tratar a doença. A medicação tafamidis meglulina é a única aprovada para combater a doença rara e acomete cerca de 4.800 brasileiros. A inclusão na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais ao SUS foi publicada nesta quinta feira (18/01) no Diário Oficial da União (DOU). A medicação estará disponível nas unidades de saúde em até 180 dias, prazo para a definição do protocolo de uso da medicação.

A decisão da oferta do medicamento nos serviços públicos ocorreu após avaliação da Comissão Nacional de Incorporação de Novas Tecnologias ao SUS (Conitec), durante o ano de 2017. “A incorporação é uma luta antiga de representantes e pacientes que sofrem com a doença. É uma conquista significativa que influenciará favoravelmente na qualidade de vida dos doentes”, afirmou Marco Fireman, Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde.

Hoje, o medicamento custa em média R$ 21 mil ao mês, e chegará ao SUS para suprir a falta de opções terapêuticas para a doença. De acordo com indicações da Conitec, o medicamento será recomendado para pacientes em fase inicial e que não tenham realizado transplante de fígado, já que a droga estabiliza as condições clínicas dos pacientes, desacelera a progressão natural da doença, prorrogando o bem estar dos pacientes que utilizam.

Os estudos científicos indicam que são os pacientes com esse perfil que mais se beneficiam do tratamento com tafamidis. Em casos mais avançados, a única alternativa de tratamento é o transplante hepático.

A DOENÇA - A Polineuropatia Amilodóitica Familiar é uma doença genética rara e hereditária, ainda sem cura, que afeta as células nervosas e provoca distúrbios no sistema nervoso. A condição, que geralmente se manifesta a partir dos 20 anos, ocorre quando uma mutação faz com que a proteína transtirretina (TTR) seja produzida de forma instável e se aglomere em vários tecidos do corpo. A TTR transporta hormônios e outras moléculas que regulam diversas funções do organismo e é produzida principalmente pelo fígado.

Em decorrência dessa mutação, os pacientes sofrem dores crônicas, formigamento e perda de sensibilidade em braços e pernas, cansaço muscular, visão borrada, diarreia e outros problemas que podem se intensificar a medida que a doença evolui. Aprovado pela Anvisa em 2016, o tafamidis se destinará ao tratamento dos pacientes em estágio inicial da doença. 

TRATAMENTO - Desde 2014, o Ministério da Saúde adota a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras (Portaria GM/MS nº 199, de 30 de janeiro de 2014), que formaliza a rede de atendimento para prevenção, diagnóstico, reabilitação e tratamento. Todo esse cuidado é feito por meio de avaliações individualizadas das equipes multidisciplinares nos diversos serviços de saúde do País, e atualmente conta com sete estabelecimentos habilitados como Serviços de Referência em Doenças Raras pelo Ministério da Saúde.

A Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras tem como objetivo melhorar o acesso aos serviços de saúde e à informação, reduzir a incapacidade causada por essas doenças e contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com doenças raras. Para a implementação desta Politica foram incorporados, inicialmente, quinze exames de biologia molecular, citogenética e imunoensaios, além do aconselhamento genético e procedimentos de avaliação diagnostica por eixo na tabela de procedimentos do SUS, dos quais podem ser realizados para o diagnóstico de doenças raras.

Independentemente da habilitação de serviços em doenças raras, o SUS realiza procedimentos para pacientes com doenças raras. Os procedimentos constantes da tabela de procedimentos do SUS são aqueles estabelecidos, não experimentais, de indicações específicas e de resultados conhecidos, em termos do aumento de sobrevida, diminuição da mortalidade ou melhora da qualidade de vida do doente.

Com informações do NUCOM/SCTIE, Victor Maciel e Joana Lopes
Atendimento à Imprensa
(61) 3315-3580 / 2745 / 2351

Fim do conteúdo da página