Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

INFORME AS DOSES E ESTOQUES DAS VACINAS EM SEU MUNICÍPIO ATÉ 30/11

Início do conteúdo da página

Em Maceió, cai em 37% o número de pessoas que dirigem embriagadas

Escrito por cristiane.carvalho | | Publicado: Terça, 19 de Junho de 2018, 11h14 | Última atualização em Terça, 19 de Junho de 2018, 19h25

Entretanto, número de mortes por acidentes de trânsito apresenta crescimento em Alagoas, de 2008 para 2017, período de vigência da Lei Seca

De 2011 para 2017, diminuiu em 37% a frequência de pessoas em Alagoas que conduzem veículos motorizados após consumir bebidas alcóolicas. É o que mostram os dados levantados através da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde. No Brasil a frequência desse hábito aumentou em 16%.

O Vigitel é uma pesquisa realizada em todas as capitais do país, por telefone, com adultos maiores de 18 anos. Em Maceió, foram entrevistadas 2.056 pessoas entre fevereiro a dezembro de 2017. Dessas 693 eram homens e 1.363 mulheres.

Em 2011, a frequência de motoristas de Alagoas que admitiram dirigir sob efeito de álcool era de 5,4%, enquanto em 2017 foi registrado o índice de 3,4%. Os homens ainda são os que mais se arriscam no estado dentro desse percentual, representam 7% da população, enquanto as mulheres tiveram o índice igual a zero. Quando analisado o Brasil, o fato não muda, os homens representam 11,7% enquanto que as mulheres são 2,5%.

A Diretora de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, Fátima Marinho, explica que, pela pesquisa, observa-se prevalentemente que os homens continuam a se arriscar mais do que as mulheres. “Esse é um perfil mundial, mas que no Brasil agrava a situação devido à infraestrutura que o país oferece aos condutores. É necessário ser mais prudente, pensar que os acidentes de trânsito podem matar e causar graves sequelas. Da mesma forma, os governos também precisam rever como podem tornar as vias melhores e mais seguras”, enfatizou.

A pesquisa ainda mostra que entre as cinco capitais onde mais se pratica o consumo de álcool ligado a direção estão Palmas (16,1%); Florianópolis (15,3%); Cuiabá (13,5%); Boa Vista (11,6%); e Campo Grande (11,3%). Maceió está entre as capitais onde o hábito é menos praticado. Além dela, também fazem parte do grupo Recife (2,9%); Rio de Janeiro (4%); Vitória (4,1%) e Porto Alegre (4,8%).

ÓBITOS  

Os números de mortes por acidentes de trânsito em Alagoas subiram em 24%, entre os anos de 2008 e 2016. Nesta terça-feira (19) a Lei Seca completou 10 anos de vigência no país, quando  foi implementada, em 2008, o Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde registrou 588 óbitos por essa causa, em 2016, dados apontam alta para 730 casos.

Existe redução se comparado ao ano de 2012, quando a lei sofreu sua primeira alteração, tornando-se mais rígida com o aumento da multa para condutores flagrados dirigindo alcoolizados. Em 2012, 836 pessoas morreram vítimas de acidentes no trânsito no estado. Comparado a 2017, a frequência caiu em 12,7%.

No Brasil, percebe-se que o número de mortes caiu apenas em 2,4% no período. Em 2008, foram registrados 38.273 óbitos, enquanto que dados consolidados de 2016 apontam a queda para 37.345 casos. A redução comparado a 2012 é maior, sobe para 16,7%, nesse ano 37.345 pessoas morreram vítimas de acidentes no trânsito.

Em todo o Brasil, os estados que mais registraram essa queda foram o São Paulo (25,4%), Espírito Santo (21,8%), Santa Catarina (19,0%), Distrito Federal (17,5%) e Paraná (15,9%). Em contrapartida houve o aumento da mortalidade no Pará (39,4%), Maranhão (39%), Piauí (37,2%), Bahia (36,8%), Tocantins (26,5%),

Por regiões, o aumento se deu no Nordeste (26,4%) e no Norte (23%), enquanto que a redução ocorreu no Sudeste (18,6%); Sul (15,5%) e Centro-Oeste (1,9%). Em números de óbitos registrados no ano de 2008 e 2017, passaram de 2.718 para 3.344 no Norte; 9.282 para 11.734 no Nordeste; 3.927 para 3.852 no Centro-Oeste; 15.189 para 12.369 no Sudeste; e de 7.157 para 6.046 no Sul. 

INTERNAÇÕES

O número de internações ao contrário do de óbitos cresceu em todo o país. Em Alagoas, o Sistema de Informações Hospitalares (SIH) mostra que 976 pessoas foram internadas devido a acidentes de trânsito em 2008. Esse quantitativo subiu em 114% em 2017, quando foram registradas 2.905 internações. Os gastos com esses atendimentos de saúde passaram de R$ 776 mil para R$ 2,2 milhões.

No Brasil, em 2008, a pasta registrou 95.216 internações no Sistema Único de Saúde (SUS) envolvendo condutores, passageiros e pedestres que haviam se acidentado no trânsito. Em 2017, 181.120 pessoas foram internadas e tratadas, um percentual 90,2% superior ao primeiro ano da lei seca. O valor gasto em 2016 foi superior a R$ 252,7 milhões.

Por Ingrid Castilho, da Agência Saúde

Atendimento à imprensa

(61) 3315-3580 / 3713 / 2440

Fim do conteúdo da página