Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Dia D

Início do conteúdo da página

Saúde libera R$ 14 mi para ampliar assistência no Rio Grande do Norte

Escrito por regina.xeyla | | Publicado: Segunda, 17 de Dezembro de 2018, 12h49 | Última atualização em Segunda, 17 de Dezembro de 2018, 14h56

Recursos serão destinados à atenção domiciliar, atenção básica, média e alta complexidade, serviços de reabilitação e vigilância em saúde. Estado também contará com reforço de veículos

Foto: Renata Leite

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, anunciou nesta segunda-feira (17) a liberação de R$ 14 milhões para ampliar e qualificar serviços de saúde nos municípios do Rio Grande do Norte. Deste total, R$ 4,3 milhões serão destinados a habilitações em serviços de média e alta complexidade, como leitos para gestantes de alto risco, unidades de cuidados intermediários neonatal, unidades de terapia intensiva pediátrica e também terapia nutricional. Também serão destinados R$ 1,6 milhão para habilitações de equipes multiprofissionais de Atenção Domiciliar para pacientes que necessitam da continuidade do cuidado assistencial em domicílio.

"Esse investimento do Governo Federal é um importante reforço para melhorar e ampliar os serviços de saúde da região, beneficiando toda a população do estado e municípios do Rio Grande do Norte. Um reforço importante destinado à Atenção Domiciliar, serviços especializados em reabilitação, combate ao mosquito da dengue, além de transportes especializados para atendimento das pessoas com deficiência", reforçou o ministro Occhi.

Serão ainda destinados R$ 2,4 milhões para serviços de reabilitação adulto e infantil no município de Caico. Já a população do município de São José de Mipibu passa a contar com aproximadamente R$ 1,2 milhão anuais para custeio dos serviços na Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) Geraldo de Souza.

Acesse o Glossário da Saúde: Saúde de A a Z

As pessoas com deficiência nos municípios de Pau dos Ferros, Macaíba, São José de Mipibu, Areia Branca, Guamaré, Santa Cruz e Natal também serão beneficiadas. O ministro anunciará a doação de sete veículos adaptados para transporte de pacientes, no valor de R$ 1,2 milhão no total. O veículo é adaptado com plataforma elevatória, ideal para embarque e desembarque de usuário cadeirante. Já os serviços na Atenção Básica de quatro municípios do estado receberão reforço de R$ 500 mil para a construção de quatro Academias da Saúde.

Também integra o conjunto de anúncios feitos pelo ministro da Saúde, para o Rio Grande do Norte, a distribuição de 24 caminhonetes, com investimento de R$ 2,6 milhões. Os veículos irão reforçar o efetivo para combater o mosquito Aedes aegypti, no atual cenário de risco dos municípios em relação às doenças dengue, zika e chikungunya. Ao todo, a pasta adquiriu mil veículos para serem entregues em todo o país a um custo de R$ 109,4 milhões.

Os municípios contemplados com as novas caminhonetes no estado do Rio Grande do Norte são: Acaré, Guamaré, Jardim do Seridó, São Rafael, Triunfo Potiguar, Caicó, Timbaúba dos Batistas, Caiçara do Rio do Vento, Riachuelo, Baraúna, Caraúbas, Itajaí, Lagoa D´Anta, Monte das gameleiras, Mossoró, Nísia Floresta, Olho D´Agua do Borges, Paraú, Parazinho, Riacho da Cruz, São Fernando, São José do Campestre, Serrinha dos Pintos e Severino Melo.

COMBATE AO AEDES

Nesta semana, o Ministério da Saúde apresentou os dados do Levantamento Rápido de índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa). No estado do Rio Grande do Norte, 131 cidades estão em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya, de acordo com o levantamento. Desse total, 70 estão em alerta, com o Índice de Infestação Predial (IIP) entre 1% a 3,9%; e 61 em risco de surto das doenças, com IIP igual ou superior a 4%. Outras 35 estão em situação satisfatória, quando o índice é menor de 1%. A capital do estado, Natal, fez o monitoramento por armadilha. A metodologia armadilha é utilizada quando a infestação do mosquito é muito baixa ou inexistente.

O levantamento também apontou que a maior parte dos criadouros foi encontrada em depósito de água (2.900), seguida de depósitos domiciliares (419) e lixo (51). O mapa da dengue, como é chamado o LIRAa, é um instrumento fundamental para o controle do mosquito e das doenças. Com base nas informações coletadas, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de criadouro predominante.

Por Nicole Beraldo e Amanda Mendes, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa 
(61) 3315-3880 / 3587

Fim do conteúdo da página