Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Banner estatico portal 960 x 100

Início do conteúdo da página

Brasil reduz em 38% casos de malária em relação a 2018

Escrito por regina.xeyla | | Publicado: Quinta, 25 de Abril de 2019, 11h29 | Última atualização em Quinta, 25 de Abril de 2019, 16h10

Nesta quinta-feira (25), Dia Mundial da Malária, o Ministério da Saúde anuncia redução do número de casos da doença em comparação ao ano passado, e lança a campanha “Brasil Sem Malária”

Malária

Foto: Alejandro Zambrana / SESAI - MS

Dados do Ministério da Saúde apontam redução de 38% de casos de malária no Brasil, em 2019. A conquista marca o Dia Mundial da Malária, lembrado nesta quinta-feira (25/04). De janeiro a março deste ano, a pasta notificou 31.872 casos novos da doença. No mesmo período em 2018, foram registrados 51.076 casos de malária no país. Os dados foram apresentados pelo coordenador-geral dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária do Ministério da Saúde, Cassio Peterka, durante o IV Seminário Estadual Alusivo ao Dia Mundial de Luta Contra a Malária, que acontece hoje, em Manaus (AM). Na ocasião, a pasta também lançou a campanha “Brasil Sem Malária”, com foco na região Amazônica, que concentra mais de 99% dos casos da doença.

Leia também: Mosquito é o transmissor da malária

A redução dos casos de malária no país se deve, principalmente, à integração das ações de saúde rea izadas pelo Governo Federal em parceria com os Estados, Municípios e a população contra a malária. Para 2019, entre os principais desafios, estão os de manter a continuidade das ações de vigilância da malária, melhorando a oportunidade no diagnóstico e tratamento, resposta rápida a surtos, mobilização social e orientação de prevenção da doença para a população, fortalecimento dos níveis locais, além de comprometimento de todos os envolvidos nas ações de prevenção da doença.

Para este ano, o Ministério da Saúde, em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), tem intensificado as ações de integração da prevenção da malária com a atenção primária nos estados e municípios. Além disso, o ministério já realizou neste ano duas capacitações com profissionais de saúde com o objetivo de melhorar a metodologia de trabalho com foco na identificação dos focos de malária. Outra importante estratégia da pasta é a sensibilização da população, parte essencial desse processo. Por isso, o lançamento da campanha de comunicação, que neste ano, traz o slogan “Brasil Sem Malária”.

Para reduzir a possibilidade da picada do mosquito transmissor de malária no doente, a população precisa ficar atenta a algumas recomendações e cuidados, que serão informados, por meio de divulgação em TV, rádio, carro som, barco som, aeroportos, rodoviárias, internet e redes sociais. O público-alvo da campanha são as populações que vivem nas capitais dos nove estados que compõem a região Amazônica (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Mato Grosso, Roraima, Rondônia, Tocantins e Maranhão), além de regiões de mata, assentamentos rurais, garimpos, periferias e áreas indígenas.

“O objetivo do Ministério da Saúde é alertar a população da região sobre a responsabilidade do cidadão na redução da transmissão da doença, da importância do diagnóstico em tempo oportuno e da importância do tratamento completo”, afirma o coordenador-geral dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária do Ministério da Saúde, Cassio Peterka.

MALÁRIA

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por parasitos do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada da fêmea infectada do mosquito gênero Anopheles. O paciente com malária não é capaz de transmitir a doença diretamente a outra pessoa, é necessária a participação de um vetor. Entre os principais sintomas da malária estão, febre alta, calafrios, tremores, sudorese ou dor de cabeça. Algumas pessoas antes de apresentarem esses sintomas, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.

A malária tem cura, mas se não for diagnosticada e tratada em tempo oportuno, pode evoluir para formas grave da doença.

Acesse nossa página temática especializada em malária

TRATAMENTO E CUIDADO

O paciente com malária geralmente é tratado com medicamentos fornecidos gratuitamente nas unidades de saúde do SUS. Somente os casos graves deverão ser hospitalizados de imediato.

O tratamento indicado depende de alguns fatores, como a espécie do protozoário infectante; o peso e idade do paciente; condições associadas, tais como gravidez e outros problemas de saúde; além da gravidade da doença.

Além do tratamento algumas medidas de prevenção devem ser levadas em consideração, como: uso de mosquiteiros impregnados com inseticidas; uso de roupas compridas que protejam pernas e braços; instalação de telas em portas e janelas; uso de repelentes; evitar exposição nos horários de maior atividade do mosquito; Borrifação Residual Intradomiciliar com inseticida de efeito residual e drenagem de áreas alagadas consideradas de risco para a transmissão da malária.

CASOS

Em 2017, foi estimado 219 milhões de casos de malária, e 435 mil pessoas morreram da doença no mundo. A população mais vulnerável são crianças menores de 5 anos de idade, representando 61% dos óbitos. Em resposta ao aumento de casos, a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2015, apresentou a estratégia mundial contra a malária, com metas para os países endêmicos alcançarem até 2030. Com a intenção de reduzir, foram fortalecidos os apoios e parcerias de vários setores, para alcance de um mundo livre da malária.

No Brasil, em 2018, foram notificados em todo o país, 194.271 casos da doença. Em 2017, o número registrado foi de 194.426 casos. No ano passado, do total de casos autóctones na região Extra-Amazônica, um terço (1/3) foram registros com infecção nas áreas de Mata Atlântica. Os estados da Bahia e Espírito Santo são áreas receptivas para a malária, e enfrentaram grandes desafios para a contenção do surto da doença.

Casos notificados de malária - Brasil

UF

2018 (ano fechado)

2019 (janeiro a março)

2018 (janeiro a março)

AC

26.306

3.334

 9.787

AM

71.729

11.240

19.280 

AP

15.246

2.879

 2.726

MA

935

132

 308

MT

878

81

 186

PA

45.705

7.550

 10.751

RO

9.445

1.970

 1.684

RR

23.265

4.666

 6.143

TO

25

3

 12

Região Amazônica

193.534

 31.855

50.877

AL

2

 

BA

89

1

 56

CE

19

 

 10

DF

21

3

 9

ES

159

1

GO

49

3

 17

MG

48

 

 9

MS

10

 

 1

PB

4

 

 3

PE

9

 

 4

PI

18

 

 4

PR

48

1

 9

RJ

58

3

 20

RN

9

 

 4

RS

19

 

 4

SC

29

1

 7

SE

5

 

 0

SP

141

4

 31

Região Extra-Amazônica

737

17

199

BRASIL

194.271

31.872

51.076

 

Por Alexandre Penido, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580 / 2898

Fim do conteúdo da página