Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

INFORME AS DOSES E ESTOQUES DAS VACINAS EM SEU MUNICÍPIO ATÉ 30/11

Início do conteúdo da página
Humaniza SUS

Semana Nacional de Humanização conta com mais de 700 atividades

Escrito por Leonardo | | Publicado: Quarta, 09 de Abril de 2014, 19h13 | Última atualização em Quarta, 09 de Abril de 2014, 19h14

Política Nacional de Humanização (PNH) foi criada para transformar a relação entre gestores, trabalhadores e usuários com objetivo de que cada um se reconheça como parte do SUS

O Ministério da Saúde promove, a partir desta segunda-feira (07), a Semana Nacional de Humanização do Sistema Único de Saúde (SUS). O evento, que ocorre até a próxima sexta-feira (11) em cerca de 200 municípios brasileiros, conta com mais de 700 atividades – entre debates, oficinas, fóruns, plenárias, roda de conversa, exposições –, organizadas por gestores, trabalhadores e usuários do SUS. Os temas abordam as diretrizes da Política Nacional de Humanização (PNH).

A abertura foi feita pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro. Durante a cerimônia foi entregue Menção Honrosa do Concurso Cultural “Somos Parte do SUS que dá certo” para representantes do Instituto de Saúde Elpídio Almeida – ISEA, de Campina Grande (PB), que fizeram um vídeo sobre humanização do parto e do Hospital de Doenças Tropicais, de Goiânia (GO), que produziram um vídeo sobre práticas de acolhimento. As duas produções, de cinco minutos cada, foram selecionadas por meio de voto popular no site Rede HumanizaSUS.

Para o ministro Chioro, o que foi apresentado neste encontro comprova o comprometimento de todos em unir o conhecimento científico com a determinação de fazer diferente e melhor. “Vimos hoje equipes que colocam os saberes a serviço da vida, de um cuidado que respeita o outro. Fico muito feliz que no Dia Mundial da Saúde a gente possa produzir essa reflexão. Eu tenho absoluta convicção que outras excelentes experiências estão sendo realizadas de Norte a Sul do país”, afirmou.

A Política Nacional de Humanização (PNH) foi criada em 2003 para transformar a relação entre gestores, trabalhadores e usuários, de modo que cada um deles se reconheça como parte do SUS e contribua para suas melhorias. Uma das ações dessa política – o Plano de Qualificação das Maternidades e Redes Perinatais da Região Nordeste e da Amazônia Legal (deu origem à estratégia Rede Cegonha) busca incentivar o parto normal humanizado e intensificar a assistência integral à saúde de mulheres e crianças, desde o planejamento reprodutivo, passando pela confirmação da gravidez, pré-natal, parto, pós-parto até o segundo ano de vida do filho.

A PNH também contribui para humanização dos Consultórios na Rua, que procuram ampliar o acesso da população em situação de risco à atenção integral à saúde, e do Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24h (CAPS-AD), serviço específico para o cuidado, atenção integral e continuada às pessoas com necessidades em decorrência do uso de álcool, crack e outras drogas.

DIRETRIZES – O acolhimento, gestão participativa e cogestão, clínica ampliada, valorização do trabalhador, defesa dos direitos dos usuários e ambiência são as diretrizes da PNH. Há no país muitos exemplos de como estas normas ajudam no dia a dia da população. Um deles é o trabalho desenvolvido pelos apoiadores da PNH junto às equipes de saúde que atuam em áreas habitadas por índios. O auxílio vai desde a tradução de uma língua até a intervenção de apoiadores na forma de abordagem e tratamento da população indígena. Há também casos de estabelecimentos de saúde que disponibilizaram redes em vez de camas para proporcionar maior conforto e adaptação a pacientes e acompanhantes índios.

O Hospital de Doenças Tropicais, um dos homenageados, tomou uma série de medidas que contribuem para a humanização do SUS. Uma delas é o curso de Libras voltado aos trabalhadores, para garantir um atendimento de qualidade aos surdos. Outra iniciativa é a distribuição de carta de reconhecimento aos trabalhadores que se destacam na pesquisa de satisfação realizada pela unidade. Outro exemplo de humanização do SUS é o acolhimento com classificação de risco, que prioriza o atendimento não por ordem de chegada, mas de acordo com a vulnerabilidade e o risco do paciente.

ESTRATÉGIA – Lançada em 2011, a estratégia Rede Cegonha está presente em mais de cinco mil municípios brasileiros e atende a 2,6 milhões de gestantes. De 2011 a novembro de 2013, foram realizados no Brasil 3.426.771 partos normais e 2.521.097 cesáreas. Desde o lançamento, já foram investidos mais de R$ 3,3 bilhões para o desenvolvimento de ações em todo o país.

Em 2012, foram realizadas 18,2 milhões de consultas pré-natais pelo SUS e mais de 1,6 milhão de mulheres fizeram, no mínimo, sete consultas. Com um pré-natal de qualidade, é possível reduzir as taxas de bebês prematuros. A meta do Ministério da Saúde é garantir acolhimento e captação precoce da gestante, além de ampliar o acesso aos serviços de saúde e melhorar a qualidade do pré-natal. Hoje, 2.118 maternidades e hospitais realizam partos no SUS. Desse total, 196 são maternidades de referência em gestação de alto risco, que contam com 1.689 leitos e recebem incentivos da Rede Cegonha. 

CONCURSO – O Concurso Cultural “Somos Parte do SUS que Dá Certo” foi uma iniciativa do Ministério da Saúde, que fez parte das comemorações de 10 anos da PNH no SUS.  Os participantes deveriam enviar um vídeo de até cinco minutos que mostrasse algum serviço ou iniciativa da saúde pública com resultados positivos em UBS, policlínicas, hospitais, serviços especializados, setores relacionados diretamente à gestão no SUS, iniciativas de usuários e movimentos sociais, entre outros, conforme as diretrizes da humanização do Sistema Único de Saúde.

 

Outras informações AQUI.

Fim do conteúdo da página