Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

INFORME AS DOSES E ESTOQUES DAS VACINAS EM SEU MUNICÍPIO ATÉ 30/11

Início do conteúdo da página

UBS não é lugar de Aedes!

Escrito por Leonardo | | Publicado: Quarta, 03 de Fevereiro de 2016, 16h50 | Última atualização em Quarta, 03 de Fevereiro de 2016, 16h55

No dia 4 de fevereiro, todos os profissionais da Atenção Básica estarão juntos em “Faxina Nacional” contra o Aedes aegypti. A ação, de iniciativa do Governo Federal, realizada em parceria com os governos estaduais e municipais, representará grande mobilização feita nas Unidades Básicas de Saúde de todo o país para eliminação de criadouros do mosquito.

Além da dengue, o Aedes transmite, também, a Chikungunya e o vírus Zika, que pode causar microcefalia em bebês. A doença representa uma grave emergência de saúde pública que pode afetar uma geração de crianças e o futuro do país, motivo pelo qual o Departamento de Atenção Básica reitera seus esforços na missão de combate ao mosquito.

Por isso, orienta que, no dia 4 de fevereiro, todos os trabalhadores das Unidades Básicas de Saúde realizem inspeção e busca nos locais onde atuam. Sugere-se que o “Dia da Faxina” das UBS comece com uma breve reunião do dirigente do estabelecimento com os responsáveis pelos diferentes setores para informar a grave situação da presença do Aedes aegypti e suas consequências, além de explicar e orientar a ação a ser realizada nesse dia.

MEDIDAS PRINCIPAIS
Cada local precisa ser inspecionado em busca de focos do mosquito Aedes aegypti e seus criadouros.

· Verificar caixas, reservatórios e depósitos de água e assegurar que estejam ou que sejam limpos e lacrados;

· Observar lajes, calhas, lonas de cobertura, depósitos de materiais e banheiros desativados para desobstrução, limpeza e eliminação do acúmulo de água;

· Observar e ter cuidados especiais com sacos de lixo, copinhos de plástico e outros materiais “traiçoeiros” que possam acumular água e servir de criadouro para o mosquito;

· Observar e registrar, em todas as inspeções, possíveis focos de larvas e mosquitos e, imediatamente, eliminá-los. Se precisar de ajuda para isso, acionar a Vigilância local;

· Ao final do dia, deve ser realizado um balanço e registro sintético da “faxina”, anotando cuidadosamente as medidas de monitoramento e de sustentabilidade para que cada ambiente continue limpo, seguro e livre do Aedes aegypti.

Para conversar sobre o assunto entre os trabalhadores do SUS, criamos a comunidade chamada “Conversando sobre o Aedes”, dentro da Comunidade de Práticas. Sua experiência e vivência é importante para os trabalhadores do país! Acesse: https://goo.gl/94ZC5y

UM MOSQUITO NÃO É MAIS FORTE QUE UM PAÍS INTEIRO. VAMBORA! #ZikaZero

 

Fim do conteúdo da página