Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Campanha Amamentação 2019

Início do conteúdo da página

Secretários municipais apoiam médicos estrangeiros

Escrito por Leonardo | | Publicado: Terça, 02 de Julho de 2013, 16h59 | Última atualização em Quinta, 13 de Março de 2014, 13h31

Entidade associa falta de profissionais à expansão dos serviços. E enaltece estratégia do Ministério da Saúde para levar mais profissionais às áreas carentes

 

Os secretários municipais de Saúde de todo País declararam, nesta terça-feira (25) apoio ao “Mais Médicos”, programa que está sendo desenhado pelo Ministério da Saúde para levar mais médicos brasileiros e estrangeiros ao país para atuarem nas áreas com maior carência desses profissionais. A manifestação de apoio foi realizada por meio do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), em carta aberta assinada pelo presidente da entidade, Antonio Nardi.

Conhecedores da realidade das pequenas cidades do país, os secretário municipais de saúde disseram que a falta de médicos no Brasil é um problema real e que precisa ser sanado com urgência. “Declaramos apoio total e irrestrito à vinda de médicos estrangeiros para atuarem na Atenção Básica do SUS”, afirmou o líder do Conasems em um trecho do documento.

Para o Conasems, a atração demédicos estrangeiros não desqualifica ou ignora a mão de obra brasileira. “A falta de médicos da família na atenção básica, nas UPAs, na rede de urgência e emergência está acontecendo porque houve uma grande expansão dos serviços, e isso é bom. Mas a falta de profissional para esses serviços ficou mais evidente. Na área da saúde mental, por exemplo, existe a carência de psiquiatras, então temos que contribuir para resolver esse problema e essas propostas estão contribuindo”, destacou o secretário-executivo do Conasems, Ênio Duarte, durante evento no Ministério da Saúde, em Brasília, nesta terça-feira (25), onde o ministro Alexandre Padilha anunciou a expansão de vagas de residência médica no país.

Segundo Duarte, o Brasil precisa ter uma solução de curto prazo, já que a formação de um médico demora cerca de 7 anos, e depois tem a residência. “Precisamos de medidas rápidas, os prefeitos estão entusiasmados e estamos acompanhando de perto essa proposta, porque realmente a população está precisando.”

 

Fim do conteúdo da página