Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Você já ouviu falar nas crianças borboletas?

Início do conteúdo da página

Intercâmbio sul-americano destaca modelo de atenção em saúde aos povos indígenas

Escrito por Tatiana Teles | | Publicado: Sexta, 18 de Maio de 2018, 13h15 | Última atualização em Segunda, 21 de Maio de 2018, 13h17

Modelo brasileiro executado pela Sesai/MS pode servir de modelo para a construção de políticas públicas de saúde indígena na região do Chaco Sul-americano

Acontece até 18/05, em Curitiba (PR), o encontro internacional do Projeto Chaco Sul-Americano, um esforço de cooperação técnica de saúde entre quatro países da região – Brasil, Paraguai, Bolívia e Argentina.

O projeto tem como objetivo construir ações estratégicas, a partir da experiência acumulada pelos próprios países, que garantam o acesso à saúde universal da população do Chaco Sul-Americano, de maneira a reduzir a morbidade e mortalidade materna, neonatal e infantil, com inclusão social, intercultural e de gênero, medicina tradicional e priorizando a população indígena.

Nesta nova ação, as delegações vão conhecer as experiências exitosas de atuação do Ministério da Saúde do Brasil, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai/MS), nas localidades indígenas da Região Sul. Participam do encontro uma delegação composta por representantes de saúde pública dos quatro países, lideranças indígenas, representantes da Organização Pan-americana da Saúde (Opas), da Secretaria Estadual de Saúde e de municípios paranaenses que contam com população indígena, como Chopinzinho, Mangueirinha e Coronel Vivida.

O secretário Especial de Saúde Indígena, Marco Antonio Toccolini, que esteve presente na abertura do encontro, destacou que trocas de experiências entre países devem servir para a melhoria do modelo de atenção à saúde dos povos indígenas. “Temos que aproveitar essa oportunidade de intercâmbio de experiências para buscar alternativas em comum para os povos indígenas de todos os países. O modelo de atenção em saúde do Brasil se destaca por sua estrutura, mas que pode e deve ter sugestões de melhoria, e é o que esperamos contribuir com esse encontro – ampliar a gestão e contribuir para a construção de um modelo de saúde para os países parceiros”, destacou.

O coordenador do Projeto Chaco, José Milton Guzmán, ressalta que a contribuição e conhecimento das ações de saúde indígena desempenhadas podem moldar um atendimento contínuo às comunidades tradicionais. “O encontro é um facilitador de ideias com o intuito de trazer formas e resoluções de como desenvolver o sistema de atenção à saúde aos povos indígenas da região do Chaco”, afirmou.

Entre os debates, haverá uma exposição das atividades desempenhadas por cada um dos quatro países, dos quais o modelo brasileiro segue como mais estruturado e servindo como um exemplo a seguir. A programação do encontro inclui visita às estruturas de atuação da saúde indígena, como a Casa de Saúde Indígena (CASAI) de Curitiba e o Polo Base de Guarapuava, na região indígena de Mangueirinha (PR).

Projeto Chaco

Em 2016, delegações dos governos da Argentina, Bolívia, Brasil e Paraguai e especialistas da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS) reuniram-se na cidade de Salta, na Argentina, para definir agenda comum de ações e atividades no âmbito da iniciativa sub-regional "Rumo à saúde universal do Gran Chaco Sul-Americano".

Autoridades nacionais, regionais e líderes indígenas se uniram para discutir a base de um trabalho em conjunto e definir as atividades para 2017. O encontro reforçou o interesse dos governos dos quatro países em avançar nas estratégias que garantam o acesso à saúde universal da população do Chaco Sul-Americano, objetivando reduzir a morbidade e mortalidade materna, neonatal e infantil, com inclusão social, intercultural e de gênero, priorizando a população indígena.

Há consenso entre os países de que existem problemas de saúde comuns na região, principalmente aqueles relacionados às desigualdades de saúde. Por essa razão, a iniciativa para a saúde universal da população do Chaco Sul-Americano é uma oportunidade importante de cooperação, visando à construção de ações estratégicas a partir da experiência acumulada pelos próprios países.

Apoio estadual

Acompanhado do coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena Litoral Sul, Valter Viana, Toccolini visitou a Secretaria Estadual de Saúde do Paraná. Na ocasião, foram recebidos pelo novo gestor da pasta, Antônio Carlos Nardi. O chefe da pasta estadual, que já foi secretário executivo do MS, destacou apoio integral a todas as ações que o DSEI possa desenvolver em prol da população indígena da região.

Veja mais fotos do encontro

Por Tiago Pegon, do Nucom Sesai
Atendimento à imprensa 
(61) 3315-3580/2351/2745

Fim do conteúdo da página