Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Campanha Amamentação 2019

Início do conteúdo da página

Gravatá sedia Etapa Distrital da Conferência Nacional de Saúde Indígena

Escrito por Gustavo Frasão | | Publicado: Quarta, 28 de Novembro de 2018, 11h13 | Última atualização em Quarta, 28 de Novembro de 2018, 11h13

Até a próxima sexta-feira (30), cerca de 300 delegados discutem, entre 101 propostas, quais serão encaminhadas para a etapa nacional, a ser realizada em maio de 2019

Um ritual com participação de pajés de todos os povos indígenas de Pernambuco marcou o início da solenidade de abertura da etapa distrital de Pernambuco da 6ª Conferência Nacional de Saúde Indígena, na noite desta terça-feira (27), na cidade Gravatá, agreste pernambucano. Até o dia 30 de novembro, cerca de 300 delegados, entre usuários, trabalhadores, gestores e conselheiros distritais de saúde indígena, vão discutir o futuro da saúde indígena no país, com especial atenção às diretrizes que vão nortear a o aprimoramento da Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas (PNASPI). Entre os presentes, o prefeito de Gravatá, Joaquim Neto, o coordenador distrital de Saúde Indígena, Antônio Fernando da Silva, o presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena de Pernambuco, Issô Truká, e o diretor do Departamento de Saneamento e Edificações da Saúde Indígena (DSESI∕SESAI), João Victório Feliciani, entre outros.

Os cerca de 300 participantes desta etapa distrital vão discutir um total de 101 propostas encaminhadas pelas conferências locais, divididas em sete eixos temáticos: Articulação dos sistemas tradicionais indígenas de saúde; Modelo de atenção e organização dos serviços de saúde; Recursos humanos e gestão de pessoal em contexto intercultural; Infraestrutura e saneamento; Financiamento; Determinantes da saúde; e Controle social e gestão participativa.

Diversos integrantes da mesa de abertura reconheceram o esforço do coordenador distrital de Pernambuco para a realização das etapas locais e da etapa distrital, mesmo tendo passado por problemas de saúde nos últimos dias. “O que me faz ter coragem para enfrentar os desafios do dia-a-dia é o apoio de vocês”, agradeceu, Antônio Fernando da Silva. Na fala da maioria, um consenso: a necessidade de união dos povos indígenas e dos trabalhadores e gestores para garantir o avanço na atenção à saúde indígena em todo o país.

Após a solenidade de abertura, Issô Truka e Carmem Pankararu, representante dos trabalhadores da saúde indígena, falaram conjuntamente aos participantes da conferência, lembrando os objetivos do encontro e os desafios a serem enfrentados no Subsistema de Atenção à Saúde Indígena do Sistema Único de Saúde (SasiSUS), como a integração dos sistemas de informação da saúde indígena aos sistemas de informação do SUS e a modelidade de contratação dos profissionais de saúde que atuam nas aldeias. Issô Truká também fez um historiamento do protagonismo indígena aos longos das conferências nacionais de saúde indígena, mostrando o crescimento da participação a cada edição, principalmente a partir da 3ª Conferência, o que representou mais um passo nos avanços representados pela Constituição de 1988, não só com relação à assistência em saúde, mas também à autodeterminação dos povos originários.

A programação da conferência de Pernambuco nesta quarta-feira começa com a leitura do Regulamento desta etapa distrital, que, em 20 artigos, prevê, entre outras coisas, o funcionamento dos grupos de trabalho, as regras para a votação de destaques e encaminhamentos de moções.

Por Beth Almeida, Comunicação Sesai
Atendimento à imprensa: (61) 3315.3580

Fim do conteúdo da página