Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Últimas notícias
  4. >
  5. Notícias SESAI
  6. >
  7. Casai de Canarana, no DSEI Xingu, melhora nutrição de indígenas com roça comunitária
Início do conteúdo da página

Casai de Canarana, no DSEI Xingu, melhora nutrição de indígenas com roça comunitária

Escrito por Gustavo Frasão | Publicado: Sexta, 22 de Fevereiro de 2019, 15h51 | Última atualização em Sexta, 22 de Fevereiro de 2019, 15h51

Projeto implantado na unidade ajuda a ampliar o acesso a alimentação adequada e saudável aos indígenas em tratamento médico na CASAI

Batata Doce, mandioca, pimenta e frutas passaram a ser produzidas por indígenas para o consumo na Casa de Saúde Indígena que abriga pacientes em tratamento na cidade mato-grossense de Canarana. Assim é o projeto “Roça Comunitária Indígena”, iniciado na Casai Canarana no DSEI Xingu. A plantação tem por objetivo estimular atividades produtivas e ampliar o consumo de alimentos saudáveis. Articulado entre diversos setores do DSEI Xingu e em parceria com a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, o projeto prevê o incentivo à produção orgânica de alimentos e redução de resíduos orgânicos. Em outubro de 2018, o projeto começou com a plantação de diversas sementes e mudas de tubérculos, temperos e frutas.

Primeira colheita

Além de incentivar a segurança alimentar, o projeto reúne os conhecimentos técnicos e tradicionais dos povos indígenas do Xingu. Para isso, além das parcerias entre as instituições, o protagonismo do indígena na manutenção da roça tem sido de extrema importância. No último dia 8 de fevereiro, foi realizada a primeira colheita de batata doce, que rendeu aproximadamente 15 quilos do tubérculo, cozidos pelas mulheres indígenas junto com a equipe técnica do DSEI Xingu. Algumas ramas foram levadas pelos próprios indígenas para serem plantadas sem suas aldeias.

Desafios e perspectivas

Entre os principais desafios enfrentados para a manutenção da Roça Comunitária, destacam-se a dificuldade de cultivo de folhas e o desiquilíbrio de pragas na região. A produção de alimentos sem agrotóxicos é a principal aposta da equipe do projeto. As próximas etapas consistirão no desenvolvimento de uma composteira e na produção de biogás, a partir do lixo orgânico gerado pela cozinha da CASAI. Os indígenas vão contar com a parceria técnica de uma equipe da Empresa Mato-Grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (EMPAER-MT).

Por NUCOM / SESAI
Atendimento à imprensa:
(61) 3315.3580

Fim do conteúdo da página