Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Banner estatico portal 960 x 100

Início do conteúdo da página

Indígenas do Alto Rio Solimões contam com nova CASAI Regional em Tabatinga

Escrito por Gustavo Frasão | | Publicado: Terça, 24 de Setembro de 2019, 16h53 | Última atualização em Terça, 24 de Setembro de 2019, 16h53

Unidade de Saúde inaugurada no sudoeste amazonense, com a participação da secretária Sílvia Waiãpi, foi totalmente reformada e ampliada

Foto: Luis Oliveira/Sesai/MS

Uma festa para ser lembrada! Assim foi a inauguração da nova Casa de Saúde Indígena Regional de Tabatinga (CASAI), uma obra de restauração e ampliação de um patrimônio de grande importância para os povos indígenas que vivem na região do Alto Rio Solimões, no sudoeste do Estado do Amazonas. A entrega dessa Unidade de Saúde pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI-ARS) representa a concretização de um sonho de inúmeras lideranças indígenas que sempre trabalharam incansavelmente pela qualidade da saúde de seus povos.

A inauguração da CASAI Regional Tabatinga contou com a participação de cerca de 250 pessoas, entre elas grupos indígenas Ticuna, Kocama, Kambeba, Kaixana, Kanamari, Witoto e Maku-Yuhup, etnias que habitam a região do Alto Rio Solimões. Também participaram do evento representantes de diversas instituições locais, como Exército, Marinha, Polícia Militar, Universidade Estadual do Amazonas (UEA), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (IFAM), Infraero e Fundação Nacional do Índio (FUNAI).

A entrega da nova unidade de saúde contou, ainda, com as presenças de Sílvia Waiãpi, titular da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) do Ministério da Saúde (MS), e de Alessandro Glauco de Vasconcelos, diretor do Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde da SGTES/MS, em visita à região de tríplice fronteira (Brasil, Colômbia e Peru) com o objetivo de conhecer mais de perto as condições e necessidades das fronteiras do país, com vistas à elaboração de políticas específicas para essas áreas.

Parceria com instituições

Sílvia Waiãpi foi recebida com carinho pelos indígenas, que a presentearam com alguns objetos produzidos nas próprias aldeias e que representam a diversidade cultural da região. Como gestora nacional da Saúde Indígena, a secretária agradeceu as autoridades presentes ao evento pela parceria de suas instituições com a SESAI: “quero aqui agradecer a todas as autoridades pelo auxílio de vocês, da humanidade das Forças Armadas, da colaboração das polícias Militar e Civil, que sempre estão presentes nesse esforço conjunto por uma Saúde Indígena de melhor qualidade”. Ela também enalteceu o empenho do coordenador do DSEI-ARS, Weydson Gossel Pereira, e a dedicação dos povos indígenas da região.

Weydson Gossel Pereira disse que “a inauguração da CASAI Regional Tabatinga é uma conquista de todos: dos indígenas, dos profissionais do DSEI e daqueles que de alguma forma colaboraram para que esse sonho se realizasse”. Weydson destacou, também, que essa é uma obra muito significativa para o bem-estar dos pacientes indígenas que vivem no Alto Rio Solimões e que precisam de acolhimento em Tabatinga: “essa CASAI é uma prova de que quando se quer, é possível realizar. Aqui nós queremos e vamos fazer muito mais. Como sempre dizemos, se fosse fácil, não seria Saúde Indígena”.

Estrutura da CASAI Regional Tabatinga

Planejada para dar mais conforto e segurança aos pacientes indígenas que chegam a Tabatinga, a CASAI Regional, além do acolhimento normal, está estruturada para abrigar grupos maiores de pacientes indígenas em momentos de ações específicas, como mutirões de cirurgias de catarata ou hérnia, realizados periodicamente no município. A Unidade de Saúde conta com administração, recepção, cozinha, unidade de alimentação e nutrição, alojamentos para profissionais, sala de Serviço Social, sala de Enfermagem, farmácia, sala de procedimentos, sala de isolamento, sala de reuniões, refeitório, horta, lavanderia e almoxarifado.

Com uma área total de 80.189,53 km², o DSEI-ARS abrange sete municípios amazonenses do Alto Rio Solimões: Amaturá, Benjamin Constant, Japurá, Santo Antônio do Içá, São Paulo de Olivença, Tabatinga e Tonantins. A população aldeada atendida pelo DSEI-ARS é formada por 70.671 indígenas de sete etnias: Ticuna, Kocama, Kambeba, Kaixana, Kanamari, Witoto e Maku-Yuhup. São 235 aldeias, que contam com 13 Polos Base, 14 UBSIs, cinco CASAIs locais (Benjamin Constant, São Paulo de Olivença, Amaturá, Santo Antônio de Iça e Tonantins) e a CASAI Regional em Tabatinga, agora totalmente reestruturada.

Composição da mesa na Cerimônia de Inauguração

Sílvia Waiãpi, secretária Especial de Saúde Indígena; Alessandro Glauco dos Anjos Vasconcelos, diretor do Departamento de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do MS; Weydson Gossel Pereira, coordenador do DSEI-ARS; Sildoney Mendes Tikuna, presidente do Condisi ARS; Aderildes Kaixana, vice-presidente do Condisi ARS; Elivaldo da Silva Kokama, assessor indígena; Eládio Kokama, assessor indígena; coronel Almeida Júnior, comandante do 8º BIS; tenente-coronel Nilo Correa, comandante da Polícia Militar; tenente-coronel Juan Pablo Morillas, secretário municipal de Segurança Pública; Ângelo Barbosa, capitão de Fragata e dos Portos; Jorge de Oliveira, diretor da Universidade Estadual do Amazonas (UEA/Tabatinga); Nicolas Neves, diretor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (IFAM/Tabatinga); Ednelson da Silva, superintendente da Infraero em Tabatinga; Mislene Mendes, coordenadora regional da FUNAI no Alto Rio Solimões, entre muitos outros.

Casa da Saúde Indígena – CASAI

Estabelecimento de saúde integrante do SasiSUS, responsável pelo apoio, acolhimento humanizado e assistência aos indígenas referenciados para a realização de ações de atenção especializada e complementares da atenção primária, oferecendo também apoio aos seus acompanhantes. A CASAI deve acolher os usuários indígenas em ambientes adequados às especificidades socioculturais, levando em consideração os dispositivos regulamentares de ambiência, alimentação e classificação de risco. Deve dispor de ambientes distintos para a realização de assistência em saúde; atividades administrativas; alojamento; e apoio técnico e logístico a fim de possibilitar o acesso dos pacientes indígenas à Rede de Atenção à Saúde (RAS). A CASAI tem ainda a responsabilidade de organizar o acesso desses usuários na RAS, por meio de protocolo de acesso que deve ser implementado após ampla discussão com o Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi), a Rede, bem como os demais estabelecimentos da saúde indígena que referenciam a CASAI.

Comunicação SESAI
Atendimento à imprensa:

(61) 3315.3580

Fim do conteúdo da página