Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Todas as crianças de 6 meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas contra o sarampo

Início do conteúdo da página

Equipe Técnica do Programa Mais Médicos participa de Oficina

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quinta, 07 de Dezembro de 2017, 11h18 | Última atualização em Quinta, 07 de Dezembro de 2017, 11h19

 

Durante cinco dias, cerca de 136 profissionais e convidados estiveram reunidos em Salvador para discussão de temas referentes ao programa.

Foto: Natalia Pinheiro

O Departamento de Planejamento e Regulação da Provisão de Profissionais de Saúde (Depreps) da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) realizou, de 27 de novembro a 1º de dezembro, a Oficina de Alinhamento e Integração para Referências Centrais (RCs) e Referências Descentralizadas (RDs) do Programa Mais Médicos. O objetivo foi pactuar um alinhamento conceitual e prático dos processos de trabalho.

“Essa reunião é de extrema importância porque vocês são parte desse projeto e com o trabalho de cada um aqui, estamos colaborando com o crescimento do nosso Sistema Único de Saúde, levando mais profissionais e mais saúde a todos os cantos do Brasil”, destacou o secretário da SGTES, Rogério Abdalla.

Processos administrativos, editais, módulos do Sistema de Gerenciamentos de Programas (SGP), legislações e normativos, módulo de acolhimento, residência médica e multiprofissional foram alguns dos temas debatidos durante os cinco dias de oficina. “Neste ano, é a primeira vez que reunimos todas as referências do programa em um só local. Isso é muito importante para a integração”, salientou o Coordenador-Geral de Regulação e Gestão da Provisão de Profissionais de Saúde, Paulo Ricardo.

A reunião contou ainda, com a presença de técnicos da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) que apresentaram o Panorama do Projeto Mais Médicos para o Brasil nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs); a Secretaria de Atenção à Saúde (SAS), por meio do Departamento de Atenção Básica, com a apresentação e discussão das alterações da Política Nacional de Atenção Básica (PNAB); e Secretaria Executiva (SE), com a apresentação da nova conformação dos Núcleos Estaduais do Ministério da Saúde (NEMS).

“Com a oficina foi possível ouvir as experiências locais, entender as demandas que ocorrem na ponta, no dia a dia da referência com o médico do programa e a população. Isso é muito importante para o alinhamento conjunto dos fluxos que vamos trabalhar em 2018”, ressaltou o diretor do Depreps, Denilson Campello.

Referências Centrais

As Referências Centrais (RC) atuam no Ministério da Saúde, em Brasília, acompanhando o Programa nos estados. Coordenam as agendas das Referências Descentralizadas (RDs) e apoiam o monitoramento dos Programas Estratégicos do Depreps, tornando-se o primeiro contato das RDs, representando o ponto de apoio com as áreas do Departamento.

Atuam diretamente no acompanhamento dos editais de adesão, movimentação de cooperados, alinhamento junto às Comissões de Coordenação Estadual, processos relacionados ao pagamento de bolsas, monitoramento do cumprimento das atividades educacionais e monitoramento dos processos administrativos relativos aos estados.

Referências Descentralizadas

As Referências Descentralizadas (RDs) fazem parte da equipe do Ministério da Saúde de forma regionalizada, residindo nos estados em que atuam. Participam de forma integrada no território, respondendo as demandas das diversas áreas do Depreps. Atuam no diálogo e orientação aos gestores municipais e médicos participantes do programa e monitoram deveres e obrigações in loco, por meio de visitas técnicas, para garantir que os atores atuem de acordo com as diretrizes dos Programas de Provisão do Ministério da Saúde.

“No nosso dia a dia, atendendo o médico, atendendo o gestor e estabelecendo essa ponte com o Ministério da Saúde, surgem alguns questionamentos relevantes que puderam ser sanados aqui na oficina. Além disso, a integração é muito positiva. Aqui pudemos trocar experiências com pessoas que, na maioria das vezes, a comunicação é somente por telefone ou e-mail. No contexto geral, foi muito positivo”, apontou a referência centralizada para os estados do Paraná e Pará, Dressiane Zanardi.

Por Natalia Pinheiro, do Nucom da SGTES
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580 / 2745 / 2351

 

 

Fim do conteúdo da página