Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Dia D

Início do conteúdo da página

Brasília sedia 3º Etapa do Dimensionamento da Força de Trabalho em Saúde

Escrito por Gustavo Frasão | | Publicado: Segunda, 19 de Novembro de 2018, 16h42 | Última atualização em Segunda, 19 de Novembro de 2018, 16h52

Entre fevereiro e março de 2019, mais de  20 municípios implementarão o projeto

Estão reunidos em Brasília, de 19 a 21 de novembro,profissionais do Ministério da Saúde e das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde para a oficina de Seleção/Capacitação Técnica e Pedagógica de tutores para Dimensionamento da Força de Trabalho no Sistema Único de Saúde .

Nesta etapa, os representantes do Espírito Santo, Goiás, São Paulo e do Distrito Federal passam pela capacitação para seleção de sete tutores.   Os tutores irão iniciar os trabalhos nos municípios entre fevereiro e março de 2019

Para o diretor substituto do DEGERTS, Gustavo Hoff a melhoria do SUS está também no dimensionamento e por isso o aumento de municípios em busca do projeto. “ A demanda pelo projeto cresce a cada dia, demonstrando a importância do planejamento da força de trabalho no SUS”, conclui Hoff.

O Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde (DEGERTS)  recebeu manifestação de interesse de 80 Secretarias de Saúde. Nesta etapa, inicialmente, serão atendidos cerca de 20 municípios, a serem definidos. São critérios para participação por parte dos municípios:

  • Ter formalizado junto ao Degerts o interesse;

  • Ter no mínimo 50 mil habitantes;

  • Disponibilizar uma equipe própria para implementar o dimensionamento, entre outros.

Para a idealizadora do projeto,  pesquisadora Bet Lelo, a oficina deve cumprir a formação, seleção, adequação e até nova construção do material pedagógico para que o trabalho seja ampliado pelo país. “Esse conteúdo e todo o material conta com todo o apoio do Ministério da Saúde e estamos aqui para cada vez mais atender um número maior de municípios”, afirmou.

O Dimensionamento

O Dimensionamento da Força de Trabalho é uma ferramenta estratégica para  a gestão em saúde. Ao possibilitar aproximação do cenário da força de trabalho, indica variáveis sobre suas características, aspectos de lotação, provimento, movimentação e qualificação, empoderando gestores e trabalhadores para negociação e tomada de decisão.

No Espírito Santo, os  municípios de Cachoeiro do Itapemirim e Linhares já implementaram o projeto, que contou com a participação do técnico da Secretaria Estadual de Saúde do Espírito Santo, Júlio César de Moraes,.. “Com o dimensionamento identificamos a falta de uma farmácia em uma das regiões do município e pudemos sanar essa falha. Com isso a população tem acesso de forma rápida e mais próxima de sua casa à farmácia”, declarou Júlio.

No estado de Goiás os municípios de Anápolis e Goiânia participaram da etapa anterior do projeto e puderam, com isso, conhecer melhor a realidade da população para a Atenção Básica, aumentando a cobertura com planejamento e otimização de recursos. “Tivemos um aumento de 55% para 70% na cobertura de equipes de saúde da família”, afirmou a técnica da Secretaria de Saúde de Anápolis, Valéria Sandim..

A temática do Dimensionamento de trabalhadores de saúde (Planejamento de Recursos Humanos na Saúde) se impõe cada vez mais como uma questão primordial e prioritária para a realidade do setor, quer para a busca da atenção efetiva e adequada às necessidades da população, considerando aspectos quantitativos e qualitativos, quer para a racionalização na definição de pessoal necessário, orientando a gestão do trabalho para a maximização de ações e resultados, dentro de uma relação custo-benefício viável e apropriada.

A preocupação crescente no Brasil, e em outros países, com essa temática, baseia-se na necessidade da otimização dos recursos financeiros disponíveis pelos entes federativos para melhor planejamento de suas ações na promoção da atenção à saúde, sobretudo, quanto a real necessidade no quantitativo de profissionais de saúde e com a consequente identificação de quais seriam as profissões que melhor atenderiam suas populações.

Por Ricardo Sanchez, do Nucom/SGTES
Atendimento à imprensa
(61) 3315- 3533 / 3580

Fim do conteúdo da página