Ir direto para menu de acessibilidade.
    Você está aqui:
  1. Página inicial
  2. >
  3. Últimas notícias
  4. >
  5. Notícias SGTES
  6. >
  7. Brasília sedia 3º Etapa do Dimensionamento da Força de Trabalho em Saúde
Início do conteúdo da página

Brasília sedia 3º Etapa do Dimensionamento da Força de Trabalho em Saúde

Escrito por Gustavo Frasão | Publicado: Segunda, 19 de Novembro de 2018, 16h42 | Última atualização em Segunda, 19 de Novembro de 2018, 16h52

Entre fevereiro e março de 2019, mais de  20 municípios implementarão o projeto

Estão reunidos em Brasília, de 19 a 21 de novembro,profissionais do Ministério da Saúde e das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde para a oficina de Seleção/Capacitação Técnica e Pedagógica de tutores para Dimensionamento da Força de Trabalho no Sistema Único de Saúde .

Nesta etapa, os representantes do Espírito Santo, Goiás, São Paulo e do Distrito Federal passam pela capacitação para seleção de sete tutores.   Os tutores irão iniciar os trabalhos nos municípios entre fevereiro e março de 2019

Para o diretor substituto do DEGERTS, Gustavo Hoff a melhoria do SUS está também no dimensionamento e por isso o aumento de municípios em busca do projeto. “ A demanda pelo projeto cresce a cada dia, demonstrando a importância do planejamento da força de trabalho no SUS”, conclui Hoff.

O Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde (DEGERTS)  recebeu manifestação de interesse de 80 Secretarias de Saúde. Nesta etapa, inicialmente, serão atendidos cerca de 20 municípios, a serem definidos. São critérios para participação por parte dos municípios:

  • Ter formalizado junto ao Degerts o interesse;

  • Ter no mínimo 50 mil habitantes;

  • Disponibilizar uma equipe própria para implementar o dimensionamento, entre outros.

Para a idealizadora do projeto,  pesquisadora Bet Lelo, a oficina deve cumprir a formação, seleção, adequação e até nova construção do material pedagógico para que o trabalho seja ampliado pelo país. “Esse conteúdo e todo o material conta com todo o apoio do Ministério da Saúde e estamos aqui para cada vez mais atender um número maior de municípios”, afirmou.

O Dimensionamento

O Dimensionamento da Força de Trabalho é uma ferramenta estratégica para  a gestão em saúde. Ao possibilitar aproximação do cenário da força de trabalho, indica variáveis sobre suas características, aspectos de lotação, provimento, movimentação e qualificação, empoderando gestores e trabalhadores para negociação e tomada de decisão.

No Espírito Santo, os  municípios de Cachoeiro do Itapemirim e Linhares já implementaram o projeto, que contou com a participação do técnico da Secretaria Estadual de Saúde do Espírito Santo, Júlio César de Moraes,.. “Com o dimensionamento identificamos a falta de uma farmácia em uma das regiões do município e pudemos sanar essa falha. Com isso a população tem acesso de forma rápida e mais próxima de sua casa à farmácia”, declarou Júlio.

No estado de Goiás os municípios de Anápolis e Goiânia participaram da etapa anterior do projeto e puderam, com isso, conhecer melhor a realidade da população para a Atenção Básica, aumentando a cobertura com planejamento e otimização de recursos. “Tivemos um aumento de 55% para 70% na cobertura de equipes de saúde da família”, afirmou a técnica da Secretaria de Saúde de Anápolis, Valéria Sandim..

A temática do Dimensionamento de trabalhadores de saúde (Planejamento de Recursos Humanos na Saúde) se impõe cada vez mais como uma questão primordial e prioritária para a realidade do setor, quer para a busca da atenção efetiva e adequada às necessidades da população, considerando aspectos quantitativos e qualitativos, quer para a racionalização na definição de pessoal necessário, orientando a gestão do trabalho para a maximização de ações e resultados, dentro de uma relação custo-benefício viável e apropriada.

A preocupação crescente no Brasil, e em outros países, com essa temática, baseia-se na necessidade da otimização dos recursos financeiros disponíveis pelos entes federativos para melhor planejamento de suas ações na promoção da atenção à saúde, sobretudo, quanto a real necessidade no quantitativo de profissionais de saúde e com a consequente identificação de quais seriam as profissões que melhor atenderiam suas populações.

Por Ricardo Sanchez, do Nucom/SGTES
Atendimento à imprensa
(61) 3315- 3533 / 3580

Fim do conteúdo da página