Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Você já ouviu falar nas crianças borboletas?

Início do conteúdo da página

Reunião Técnica com as novas escolas de Medicina discute estratégias inovadoras para a qualificação do ensino médico no país

Escrito por Gustavo Frasão | | Publicado: Terça, 11 de Dezembro de 2018, 15h16 | Última atualização em Terça, 11 de Dezembro de 2018, 15h16

Evento reuniu mais de 60 representantes de instituições de ensino superior de todo o Brasil

Foto: Eduardo Grisoni

Com o objetivo de debater e analisar os desafios da educação médica, a partir da criação das novas escolas no país, após implementação do Programa Mais Médicos, foi realizada em Brasília, na última sexta-feira (07), a Reunião Técnica com as Novas Escolas de Medicina: Inovações para Qualificação do Ensino Médico no País.

O evento, promovido pela Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES/MS), em parceria com o Ministério da Educação (MEC), Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM) e com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), reuniu mais de 60 representantes de universidades públicas e instituições de ensino do setor privado, interessados em propor iniciativas inovadoras no contexto dos processos pedagógicos da educação médica que poderão ser aplicáveis à realidade brasileira, por meio da utilização de temáticas estratégicas e transversais como a educação interprofissional, a avaliação formativa, a educação baseada em evidência, a integração ensino-serviço-comunidade e a missão social das escolas médicas do país.

Durante a abertura do evento, o secretário da SGTES, Marcelo Henrique de Mello, destacou que o Programa Mais Médicos trouxe uma nova perspectiva para o ensino médico no país, tendo como eixo norteador o atendimento às necessidades sociais em saúde, por meio da ampliação do acesso ao ensino médico em áreas remotas e em locais onde há vazios assistenciais desses profissionais. “A abertura dos novos cursos atende a um chamado da população carente de atendimento médico, especialmente em regiões mais remotas. É necessário estreitar o diálogo com as instituições, a fim de identificarmos as barreiras e os elementos facilitadores para a implementação de um ensino de qualidade, que atenda à missão social”, explicou Marcelo Mello.

De acordo com dados do Ministério da Educação, em 2018, o número de vagas de graduação em medicina supera a meta prevista pelo Programa Mais Médicos, alcançando 13 mil novas vagas, no período de 2013 a 2018. A ampliação de vagas destinadas ao programa de Residência Médica foi um dos assuntos debatidos, durante as apresentações. O coordenador-adjunto da Comissão de Acompanhamento e Monitoramento de Escolas Médicas (CAMEM), vinculada à Secretaria de Educação Superior (SESu/MEC), Geraldo Cunha Cury, observou que a qualidade da formação depende dos esforços de todos os atores envolvidos no processo. “As instituições privadas de ensino devem disponibilizar aportes de recurso para a criação de novas vagas de residência. Já as de natureza pública terão o suporte dos ministérios da Saúde e da Educação para o fomento dessas vagas”, ressaltou.

De acordo com a diretora do Departamento de Gestão da Educação na Saúde (DEGES/SGTES), Cláudia Brandão, o evento representa um chamado do Ministério da Saúde, em conjunto com MEC, ABEM e OPAS/OMS, com a finalidade de discutir mecanismos para qualificar o ensino médico no país. “Muito mais do que ter a ampliação de novas vagas de medicina no país, o que é extremamente necessário, devemos pensar na qualidade da formação desses futuros médicos. E que as instituições formadoras estejam comprometidas com o ensino baseado nas necessidades de nosso sistema de saúde, ” declarou Brandão.

Por Priscilla Klein, do NUCOM/SGTES
Atendimento à imprensa

(61) 3315-3580

Fim do conteúdo da página