Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

INFORME AS DOSES E ESTOQUES DAS VACINAS EM SEU MUNICÍPIO ATÉ 30/11

Início do conteúdo da página

Condutas para vigilância epidemiológica de casos suspeitos de mormo

Escrito por Leonardo | | Publicado: Terça, 22 de Setembro de 2015, 12h05 | Última atualização em Quarta, 07 de Outubro de 2015, 14h33

A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS), em atenção à necessidade de esclarecimentos sobre o mormo e o risco à saúde, informa:   

Mormo ou Lamparão é uma zoonose causada pela bactéria da espécie Burkholderia mallei, gram-negativa, imóvel, não encapsulada, bacilo não formador de esporos. É uma enfermidade infecto-contagiosa que acomete especialmente os equídeos (cavalos, burros e mulas), e pode ser transmitida eventualmente a outros animais e ao homem.

A doença é transmitida ao homem pelo contato com animais infectados, fômites contaminados, tecidos ou culturas bacterianas em laboratórios. A bactéria entra no organismo através da pele e das mucosas dos olhos e nariz. Casos esporádicos podem ocorrer principalmente em atividades profissionais relacionadas ao manejo desses animais ou manipulação de amostras contaminadas, infectando veterinários, tratadores de equinos, funcionários de abatedouros e laboratoristas.  

Os sintomas gerais no homem são febre, dores musculares, dor no peito, rigidez muscular e cefaleia. Podem ainda ocorrer lacrimejamento excessivo, sensibilidade à luz e diarreia. As manifestações clínicas podem ser classificadas, de acordo com a forma de infecção, em:

 

  • Infecção localizada: a penetração se dá a partir de um corte ou um arranhão na pele. Uma infecção localizada, com ulceração, pode se desenvolver entre 1 a 5 dias, no local de penetração da bactéria. Hipertrofia dos gânglios linfáticos também pode ocorrer. Infecções envolvendo as mucosas dos olhos, nariz e trato respiratório poderão causar aumento da produção de muco nos locais afetados.
  • Infecção pulmonar: quadro de pneumonia, abscessos pulmonares e derrame pleural podem ocorrer.
  • Infecção generalizada: pode ocorrer septicemia dentro de 7 a 10 dias, que é geralmente fatal quando não tratada.
  • Infecções crônicas: envolvem múltiplos abscessos, que podem ocorrer nos músculos dos membros inferiores e superiores, no baço ou no fígado.

 

CONDUTAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Casos humanos suspeitos deverão ser notificados ao MS, por meio de ficha de notificação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), disponível no endereço eletrônico:

http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/novo/Documentos/SinanNet/fichas/Ficha_conclusao_v5.pdf

 

Definição de caso suspeito:

Paciente com aparecimento de abcesso ou lesão ulcerada de pele e história de exposição a animais com diagnóstico de infecção por B. mallei nos últimos 5 dias.

ou

Paciente com Síndrome Infecciosa (febre, mal-estar, fadiga, dor de cabeça, mialgias, incluindo dor lombar, linfoadenopatia e dor no peito), acompanhada de sintomas respiratórios (tosse, dispnéia, dor torácica e escarro mucopurulento) e história de exposição a animais com diagnóstico de infecção por B. mallei nos últimos 10 a 30 dias.

ou

Paciente com sinais de abscesso em qualquer órgão/sistema e história de exposição a animais com diagnóstico de infecção por B. mallei nas últimas 12 semanas.

 

Definição de caso confirmado:

Paciente suspeito, com diagnóstico laboratorial feito por meio da realização de cultura ou hemocultura para identificação de B. mallei ou por biologia molecular como Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) e Sequenciamento Genético.

Definição de caso descartado:

Paciente com diagnóstico laboratorial descartado para Mormo e confirmatório para outra enfermidade.

 

Diagnóstico laboratorial para casos humanos suspeitos de Mormo

As metodologias utilizadas no Brasil são cultura e hemocultura de amostras coletadas como: secreção pleural, líquido pleural, sangue, abcessos, secreção purulenta de lesões cutâneas, linfonodos ou outro espécime clínico solicitado.

Encaminhamento de amostras deverá seguir para o Laboratório Central de Saúde Pública - LACEN/RS, Av. Ipiranga 5400 - Bairro Jardim Botânico, CEP: 90610-000, Tel. (51)-32884000/4027/4099

 

CONDUTAS DE TRATAMENTO

Devido à baixa incidência de casos humanos de mormo no mundo, há poucas informações sobre o tratamento. O diagnóstico precoce e tratamento antimicrobiano adequado diminuem a gravidade da doença e são medidas importantes para reduzir a letalidade.

O tratamento do mormo requer o uso de antibioticoterapia intravenosa com imipenem, meropenem ou ceftazidima, associados ou não ao sulfametoxazol-trimetoprima (SMX-TMP), por pelo menos 10 dias, seguida por antibioticoterapia oral, dita de erradicação, por pelo menos 12 semanas com SMX-TMP associado ou não à doxiciclina.

 

CONDUTAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE

A prevenção em seres humanos baseia-se no manejo do ambiente e controle animal, cujas orientações são normatizadas pelo órgão de saúde animal, do Ministério da Agricultura (Instrução normativa da Secretaria de Defesa Agropecuária nº 24, de 5 de abril de 2004).

Como orientação, em casos suspeitos em animais, estes devem ser informados às Secretarias Estaduais de Agricultura e/ou Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ressaltando que as mesmas informações devem ser encaminhadas ao MS.

Para manipulação de equinos sintomáticos sob a suspeita de Mormo os EPIs são para aerossol e contato. Máscara N95, avental, luva, óculos de proteção, botas e adotar medidas de higiene como lavagem das mãos após manipulação dos equinos.

Atenção especial deve ser dada a todos que cuidam de animais ou trabalham com espécimes suspeitos de infecção (veterinários, tratadores de animais, magarefes, profissionais de laboratório). Todos devem ser orientados a utilizar equipamentos de proteção individual (EPIs) tais como luva,máscara, óculos e avental.

 Dado o potencial de transmissão por aerossol, recomenda-se aos profissionais da saúde que estejam envolvidos no manejo de pacientes a utilização de EPIs, que incluem luva, máscara N95, óculos e avental descartável.  

Todos casos suspeitos deverão ser notificados imediatamente ao Ministério da Saúde.

 

Fim do conteúdo da página