Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

borboletas

Início do conteúdo da página

Prevenção ao suicídio: como ajudar, saber e agir

Escrito por Alessandra Bernardes | | Publicado: Quinta, 05 de Outubro de 2017, 10h35 | Última atualização em Segunda, 10 de Setembro de 2018, 14h55

SUICÍDIO. SABER, AGIR E PREVENIR

O suicídio é um fenômeno complexo que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero.

O suicídio pode ser prevenido. Por isso, incentive a pessoa a PROCURAR AJUDA de um profissional ou serviço de saúde.  No âmbito do Sistema Único de Saúde, são oferecidos tratamentos integrais e gratuitos em toda rede de assistência à saúde.

Se o risco de suicídio é grande, oriente que a pessoa não deve ficar sozinha.

Onde procurar ajuda para prevenir o suicídio?

Existem vários estabelecimentos e formas para ajudar a prevenir o suicídio. 

Serviços de saúde

CAPS, Ambulatórios de Saúde Mental e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde).

Emergência 24 horas

Emergência SAMU 192, UPA, Pronto Socorro e Hospitais.

Centro de Valorização da Vida – CVV

O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, email, chat e voip 24 horas todos os dias.

A ligação para o CVV em parceria com o SUS, por meio do número 188, são gratuitas a partir de qualquer linha telefônica fixa ou celular.

Também é possível acessar www.cvv.org.br para chat, Skype, e-mail e mais informações sobre ligação gratuita.

Também é possível utilizar o atendimento por chat e e-mail disponível nos ícones abaixo.

=> Conheça os postos e horários de atendimento
=> https://www.cvv.org.br/postos-de-atendimento/

PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

Para atingir meta da Organização Mundial da Saúde (OMS), de reduzir em 10% os óbitos por suicídio até 2020, o Ministério da Saúde lançou em 2017 uma agenda estratégica que inclui ampliação da assistência e ferramentas de comunicação.

Os seis estados com maiores taxas de suicídio no país: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Roraima, Piauí e Amazonas, receberam um incremento de R$ 2 milhões. Também será construído, em parceria com as secretarias de saúde estaduais dessas localidades, planos locais de prevenção ao suicídio.

O Ministério da Saúde também lançou uma série de folhetos informativos sobre o suicídio. Para os jornalistas, o foco foram sugestões sobre como abordar o tema na imprensa. Isso porque o tema "suicídio" vem sendo divulgado amplamente em diversos veículos e dependendo da forma, pode até contribuir para aumentar os casos.

Direcionado à população, a Pasta compôs um folder informativo tem foco na identificação de sinais de alerta, como o que fazer e o que não fazer diante de uma pessoa em risco de suicídio. Os profissionais de saúde contam com um documento que alerta a importância da notificação compulsória da tentativa de suicídio em até 24h e que traz informações técnicas sobre acolhimento na rede do SUS.

Para a população indígena, haverá a implantação das linhas de cuidados de prevenção do suicídio com capacitações em 16 DSEI prioritários e formação de jovens indígenas multiplicadores em estratégias de valorização da vida nas regiões com maior incidência de suicídio. 

SINAIS DE ALERTA - SUICÍDIO

Falta de autoestima, comportamento depressivo ou agressivo, isolamento social, silêncio fora do normal, falar sobre morte e suicídio. Estes são alguns sinais que você pode reconhecer para ajudar quem precisa. Vale a conversa. Todo apoio da família é fundamental para ajudar a prevenir.

Materiais produzidos pelo Ministério da Saúde para prevenir o suicídio

Perguntas e Respostas

Geral
registrado em:
Fim do conteúdo da página