Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Dia D

Início do conteúdo da página
Acidentes por animais peçonhentos

Informações Técnicas

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quarta, 02 de Julho de 2014, 11h33 | Última atualização em Terça, 01 de Dezembro de 2015, 15h34

Aspectos clínicos

O quadro local causado por Lonomia é igual àquele causado por outras lagartas: dor imediata em queimação, eritema, edema e adenomegalia. Alguns sintomas inespecíficos (cefaleia, náuseas, tonturas e dor abdominal), podem surgir previamente aos sangramentos sistêmicos. Gengivorragia, em feridas recentes, equimoses, hematúria; sangramentos maciços e hemorragia intracraniana, apesar de pouco frequentes, têm sido associados a complicações, como insuficiência renal aguda e óbito. O soro antilonômico (SALon) está indicado nos casos moderados e graves de envenenamento sistêmico.

Aspectos laboratoriais

A presença de alterações sistêmicas pode ser confirmada através de exames de coagulação, onde se verifica incoagulabilidade sanguínea na maioria dos casos, utilizados também na avaliação da eficácia da soroterapia.

Aspectos ambientais

Por se encontrarem na natureza, não há medidas de controle eficazes para controlar a proliferação de lagartas. No caso da Lonomia, acredita-se que desequilíbrio ambiental e na cadeia alimentar possa ter levado à redução de seus predadores naturais. Ressalta-se que borboletas e mariposas são importantes agentes polinizadores e erradicá-las pode causar grave desequilíbrio ambiental.

Outras informações de relevância para o agravo

Diferentemente dos demais acidentes por animais peçonhentos, os pacientes acidentados por Lonomia procuram atendimento tardiamente, na maioria dos casos 12 horas ou mais após o contato.

Nem todos os casos de contato com Lonomia requerem soroterapia. No entanto, quando indicada deve ser administrada o mais precocemente possível. Os soros estão disponíveis em unidades de saúde de referência em todos os Estados.

 

NOTA INFORMATIVA - Alerta aos serviços de saúde e de vigilância das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde sobre os riscos de acidentes por animais peçonhentos nos meses de verão.

Fim do conteúdo da página