Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Você já ouviu falar nas crianças borboletas?

Início do conteúdo da página
Acidentes por animais peçonhentos

Descrição do Agravo

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quarta, 02 de Julho de 2014, 11h23 | Última atualização em Quarta, 28 de Março de 2018, 15h00

Insetos da Ordem Lepidoptera (borboletas e mariposas) são considerados holometábolos, ou seja, durante o seu período de desenvolvimento ocorre uma completa metamorfose entre o período larval e o adulto. Essa metamorfose é dividida em 4 fases: ovo, larva, pupa (ou crisálida) e adulto (ou imago). Embora as cerdas de algumas espécies adultas de lepidópteros possam causar dermatites, são as lagartas as responsáveis pelos acidentes mais graves.

A importância das lagartas de mariposas em saúde pública se deve aos efeitos causados pelo contato das cerdas de algumas espécies que contêm toxinas. No Brasil, as espécies que mais causam acidentes pertencem às Famílias Megalopygidae (megalopigídeos) e Saturniidae (saturnídeos). Os megalopigídeos (lagarta-de-fogo, taturana-cachorrinho, taturana-de-flanela, bicho-cabeludo) têm cerdas longas e inofensivas que se assemelham a pelos, com coloração que varia entre cinza, vermelho e marrons, e que escondem as verdadeiras cerdas de veneno que são menores e robustas. Têm hábitos solitários, sendo o acidente comumente causado por um único exemplar. Já os saturnídeos possuem espinhos pontiagudos sobre o dorso, com evaginações do tegumento e ramificações laterais, que contêm as glândulas de veneno. São geralmente de colorido verde, marrom ou preto, com desenhos variados no tegumento. De hábitos gregários, vivem em árvores nativas e frutíferas, onde muitas vezes se camuflam e o contato se faz, em geral, com vários exemplares.

Destaca-se entre os saturnídeos o gênero Lonomia, único responsável por envenenamento sistêmico, diferentemente das demais lagartas que causam apenas quadro local benigno. De ocorrência rara até a década de 1980, os acidentes hemorrágicos por lagartas do gênero Lonomia ganharam destaque após as primeiras ocorrências na região Sul do país, embora casos esporádicos já fossem descritos na Amazônia. Os estados que mais notificam acidentes lonômico no SINAN são Santa Catarina, Minas Gerais, São Paulo Rio Grande do Sul e Paraná. Complicações graves decorrentes de hemorragia sistêmica podem levar a óbito, o que torna fundamental a soroterapia precoce. O Brasil é o único país produtor do soro antilonômico (SALon), específico para o tratamento dos envenenamentos moderados e graves causados por essas lagartas.

 

 

 

Fim do conteúdo da página