Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Dia D

Início do conteúdo da página
Acidentes por animais peçonhentos

Tratamento

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quinta, 27 de Março de 2014, 15h30 | Última atualização em Terça, 12 de Setembro de 2017, 11h44

O tratamento é feito de acordo com a etiologia (causa) da meningite diagnosticada pelo médico, variando desde o tratamento para alívio dos sintomas (nas meningites virais e traumáticas) até a antibioticoterapia (nas meningites bacterianas, fúngicas e eosinofílicas). De um modo geral, a antibioticoterapia é administrada por via venosa por um período de 7 a 14 dias, ou até mais, dependendo da evolução clínica e do agente etiológico. Em se tratando de meningite bacteriana o tratamento com antibiótico deve ser instituído tão logo seja possível, preferencialmente logo após a punção lombar e a coleta de sangue para hemocultura. O uso de antibiótico deve ser associado a outros tipos de tratamento de suporte, como reposição de líquidos e cuidadosa assistência. A precocidade do tratamento e diagnóstico são fatores importantes para o prognóstico satisfatório das meningites, pois quanto mais rápido o atendimento médico, maiores as chances de uma boa recuperação do paciente, reduzindo o risco de óbito ou sequelas (paralisia dos membros, perda auditiva, perda da visão, etc) Outras informações de relevância para a meningite bacteriana A medida de controle eficaz para evitar casos secundários é a quimioprofilaxia para os contatos próximos de casos de doença meningocócica e meningite por Haemophilus influenzae. A droga de escolha é a rifampicina devendo ser administrada preferencialmente em até 48 horas da exposição à fonte de infecção. Vale ressaltar que a vacina só é adotada como medida profilática em situações especiais de emergência (surtos de meningites), na qual esquemas vacinais especiais são adotados em decisão conjunta entre as três esferas governamentais (União, Estado e Município). .

Fim do conteúdo da página