Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Banner estatico portal 960 x 100

Início do conteúdo da página
Malária: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção

Indicação da utilização de vacinas e quimioprofilaxia para leptospirose e outras patologias infecto-contagiosas em situações de calamidade

Escrito por Alessandra Bernardes | | Publicado: Segunda, 19 de Fevereiro de 2018, 10h01 | Última atualização em Segunda, 19 de Fevereiro de 2018, 10h01

Visando esclarecer as ações de prevenção de doenças infecto contagiosas em situação de desastres naturais, o Ministério da Saúde (MS) informa:

I – Vacinação

  1. Hepatite A

A infecção pelo vírus de hepatite A ocorre em todos os países do mundo. O risco dessa infecção tem uma ampla variação entre os países, e dentro de um mesmo país, dependendo da cobertura do saneamento básico, devido às características de sua transmissão. Em países e áreas onde as condições sanitárias ainda são inadequadas, a infecção pelo vírus da hepatite A é muito comum em crianças, não sendo diagnosticada, na grande maioria dos casos, por apresentar sintomatologia pouco específica e de evolução benigna. Como essa infecção produz imunidade natural, não é recomendada a utilização da vacina, em programas de imunização, nos países que apresentam essa situação epidemiológica, pois ela não traria um benefício que justificasse sua inclusão. Com o aumento da cobertura populacional do saneamento básico, a prevalência da infecção pela hepatite A vai sendo reduzida, o que diminui essa imunização natural e passa a justificar a utilização da vacina nos programas nacionais de imunização. O Brasil encontra-se em uma situação de transição, com o Ministério da Saúde monitorando os dados de prevalência da hepatite A para decidir o momento da inclusão dessa vacina. Além dessa situação de exposição prévia da maioria da população brasileira, o próprio monitoramento de situações de enchentes em nosso país não tem detectado a ocorrência de surtos de hepatite A. Assim, as ações de prevenção têm se concentrado naquelas doenças de maior risco.

A vacina contra a Hepatite A está disponível nos 42 Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE) estabelecidos nas 27 unidades da federação, com a seguinte indicação de utilização:

  • Hepatopatias crônicas de qualquer etiologia, inclusive portadores do vírus da hepatite C (VHC);
  • Portadores crônicos do Vírus da Hepatite B;
  • Coagulopatias;
  • Crianças menores de 13 anos com HIV/Aids;
  • Adultos com HIV/Aids, co-infectados com vírus da Hepatite B ou da Hepatite C;
  • Doenças de depósito;
  • Fibrose cística;
  • Trissomias;
  • Imunodepressão terapêutica ou por doença imunodepressora;
  • Candidatos a transplante de órgão sólido, cadastrados em programas de transplantes;
  • Transplantados de órgão sólido ou de medula óssea;
  • Doadores de órgão sólido ou de medula óssea, cadastrados em programas de transplantes
  • Hemoglobinopatias

O Programa Nacional de Imunizações (PNI) está apoiando as Secretarias Estaduais de Saúde dos estados afetados para que as pessoas das áreas atingidas pelas enchentes e que preenchem esses critérios, recebam a vacina contra a hepatite A, bem como as demais ações de prevenção de doenças que estão em curso.

b) Hepatite B e Dupla tipo adulto (dT)

Em situações de enchentes recomenda-se que seja verificado se todas as pessoas desabrigadas ou desalojadas, profissionais de saúde ou socorristas estão com a vacinação atualizada para Hepatite B, em função da possibilidade de contato com sangue. A mesma recomendação se aplica para a utilização da vacina Dupla tipo adulto (dT), para evitar casos de tétano. Cumpre ainda esclarecer que as recomendações do Ministério da Saúde para a utilização de vacinas são permanentemente atualizadas por um Comitê Técnico Assessor de Imunizações (CTAI), constituído por especialistas de diferentes áreas e que representam sociedades científicas e instituições acadêmicas, tomando por base as evidências científicas disponíveis.

II – Quimioprofilaxia para leptospirose

Qualquer indivíduo que entrou em contato com a água ou lama das enchentes é passível de se infectar e manifestar sintomas da doença, configurando-se uma situação em que não há indicação técnica para a realização da quimioprofilaxia contra a leptospirose, como medida de saúde pública. Esta tem indicação apenas quando um grupo pequeno e bem identificado é exposto a uma situação de risco. Na situação atualmente encontrada nas áreas com ocorrência de enchentes, as medidas a serem adotadas são as seguintes:

1) Divulgar ações de proteção entre a população vulnerável;

2) Manter vigilância ativa para identificação oportuna de casos suspeitos de leptospirose; tendo em vista que o período de incubação da doença pode ser de 1 a 30 dias (média de 5 a 14 após a exposição);

  1. Notificar imediatamente todo caso suspeito da doença, conforme a Portaria do MS de consolidação Nº 4 de 03 de outubro de 2017;
  2. Realizar tratamento oportuno dos casos suspeitos.

Maiores informações sobre a doença: WWW.saude.gov.br/svs

Fim do conteúdo da página