Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Todas as crianças de 6 meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas contra o sarampo

Início do conteúdo da página

Situação Epidemiológica - Dados

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quinta, 27 de Março de 2014, 15h30 | Última atualização em Terça, 18 de Dezembro de 2018, 15h19

O tétano acidental é uma doença universal que pode acometer homens, mulheres e crianças independentes da idade, quando suscetíveis. É mais comum em países em desenvolvimento e subdesenvolvidos. A letalidade da doença é alta: de cada 100 pessoas que adoecem cerca de 30 morrem. O tétano é uma doença rara nos países da Europa e América do Norte, sobretudo em decorrência do desenvolvimento social/educacional e da vacinação. No Brasil, tem-se observado uma redução contínua do tétano acidental. No ano de 1982 foram confirmados 2.226 casos com um coeficiente de incidência de 1,8 casos por 100.000 habitantes. Em 1992 ocorreram 1.312 casos com incidência de 0, 88, redução de 58%. Em 2002 ocorreram 608 casos com incidência de 0,35 e redução de 53% em relação à década anterior. A partir de 2007, o número médio de casos confirmados foi em torno de 340 casos/ano e incidência de 0,18.

Entre os anos de 2013 a 2017 foram registrados 1.313 casos de tétano acidental no país sendo: 188 na Região Norte (14,3%); 382 na Nordeste (29,1%); 307 na Sudeste (23,4%); 266 na Sul (20,3%) e 170 na Região Centro-oeste (12,9%). O coeficiente de incidência apresentou uma variação de 0,14 em 2013 para 0,11 por 100.000 habitantes em 2017. No mesmo período, 70% dos casos concentram-se no grupo com faixa etária de 30 a 69 anos de idade. A maioria dos casos de tétano acidental ocorreu nas categorias de aposentado-pensionistas, trabalhador agropecuário, seguidas pelos grupos de trabalhador da construção civil (pedreiro), estudantes e donas de casa. Outra característica da situação epidemiológica do tétano acidental no Brasil é que, a partir da década de 90, observa-se aumento da ocorrência de casos na zona urbana. Esta modificação pode ser atribuída ao êxodo rural. A letalidade mantém-se acima de 30%, sendo mais representativa nos idosos.

Em 2016 e 2017, foram confirmados 243 e 230 casos em todo território nacional. A letalidade, nesse mesmo período, foi de 33% e 30% respectivamente, sendo considerada elevada, quando comparada com os países desenvolvidos, onde se apresenta entre 10 a 17%.

>> Tabela de casos de Tétano Acidental. Brasil, Grandes Regiões e Unidades Federadas. 1990 a 2017*

>> Tabela de óbitos de Tétano Acidental. Brasil, Grandes Regiões e Unidades Federadas. 1998 a 2017*

>> Gráfico Série Histórica. Brasil, 1990 a 2017*

Assuntos em destaques

Fim do conteúdo da página