Ir direto para menu de acessibilidade.
Novo Coronavírus - tire suas dúvidas
Banner teleSUS clique aqui
Início do conteúdo da página

Brasil monitora 11 casos suspeitos do novo coronavírus

Escrito por Gustavo Frasão | | Publicado: Quarta, 12 de Fevereiro de 2020, 16h52 | Última atualização em Quarta, 12 de Fevereiro de 2020, 18h47

Os casos suspeitos estão sendo monitorados em cinco estados do país segundo atualização realizada nesta quarta-feira (12/2)

Foto: Erasmo Salomão / ASCOM MS

O Brasil permanece sem registro do novo coronavírus, que já atinge 24 países além da China. Até o momento, 11 casos suspeitos são monitorados pelo Ministério da Saúde, conforme informações repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde de todo o país, até quarta-feira (12). Os casos suspeitos estão em Minas Gerais (1), Paraná (1), Rio de Janeiro (2), Rio Grande do Sul (1) e São Paulo (6).

Os casos descartados para investigação de possível relação com a infecção humana pelo coronavírus mantiveram em 33, mesmo número em relação a última atualização. Todas as notificações foram recebidas, avaliadas e discutidas com especialistas do Ministério da Saúde, caso a caso, junto com as autoridades de saúde dos estados e municípios. Esses descartes aconteceram principalmente por causa do resultado positivo para outros vírus respiratórios.


Leia também


Durante a coletiva de imprensa, realizada nesta quarta-feira (12/2), o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, ressaltou que o Sistema Único de Saúde (SUS) está pronto para combater o novo coronavírus. “O Sistema Único de Saúde está absolutamente preparado para a possível confirmação de algum caso do novo coronavírus em território brasileiro. Nós estamos trabalhando com diversos cenários e as medidas que estão sendo tomadas são de acordo com estes possíveis cenários. Neste momento nós não temos a circulação do vírus no Brasil e estamos trabalhando dentro deste panorama, mas já prevendo a possibilidade de termos no futuro casos confirmados”, esclareceu.

Questionado sobre os trabalhos desenvolvidos em conjunto com o Ministério da Defesa na operação de repatriação, o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, informou que todas as medidas necessárias estão sendo tomadas. “Nós estamos completamente alinhados com o Ministério da Defesa. Discutimos, diariamente, sobre toda a dinâmica do processo de uma quarentena. Fizemos contato com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estamos entrando em contato com os demais países para consolidar tudo o que existe de protocolo sobre os procedimentos em relação ao novo coronavírus”, informou o secretário, destacando também que estão sendo consultados países que já têm experiência com quarentena. “Temos que consolidar mais informações para tomarmos essa decisão em conjunto, obviamente, considerando tudo que tem de evidência em outros países que já tiveram experiência com procedimento de quarentena”, finalizou o secretário.

Em relação a todos os gastos que estão sendo gerados pela situação de emergência, o secretário-executivo João Gabbardo enfatizou que, até o momento, não houve a necessidade de aporte de recursos para o Ministério da Saúde para o enfrentamento ao novo coronavírus. “Todos os recursos que foram utilizados até agora pelo Ministério da Saúde são recursos normais, regulares, que já estão no dentro do orçamento da pasta. A Secretaria de Vigilância em Saúde tem uma parte do seu orçamento que fica resguardado para utilização em situações de emergência como essa que está acontecendo. Todos os gastos que estão sendo feitos estão dentro da nossa previsão orçamentária”, ressaltou.

Para manter a população informada a respeito do novo coronavírus, o Ministério da Saúde atualiza diariamente, os dados na Plataforma IVIS, com números de casos descartados e suspeitos, além das definições desses casos e eventuais mudanças que ocorrerem em relação a situação epidemiológica.

Assista, na íntegra, à coletiva com as atualizações do novo coronavírus - 12/02/2020

Saiba mais sobre o novo coronavírus - clique aqui

Por Luísa Schneiders da Agência Saúde
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580 / 2745 / 2351

Fim do conteúdo da página