Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
EMERGÊNCIA EM SAÚDE

Brasil amplia monitoramento do coronavírus

Escrito por André | | Publicado: Segunda, 09 de Março de 2020, 21h36 | Última atualização em Quarta, 11 de Março de 2020, 08h50

Ministério da Saúde inclui busca por casos suspeitos com a testagem para coronavírus em paciente internados com quadro respiratório grave, independente de viagem ao exterior.

O Ministério da Saúde passa a testar para o coronavírus todos os pacientes internados, em hospitais públicos ou privados, com quadro respiratório grave, independentemente do histórico de viagem das pessoas ao exterior. Além disso, a pasta também passa a orientar que todas as 163 unidades de saúde (postos de saúde, UPA, hospitais) que integram a rede sentinela de síndrome gripal passem a testar para coronavirus pacientes que tiveram amostras com resultado negativo para outros vírus gripais, independente de viagem ao exterior.

A medida vale para as cidades que tenham casos confirmados da doenca. Dessa forma, a pasta amplia a identificação dos casos de coronavírus e reforça o monitoramento da circulação no país. Com isso, o Ministério da Saúde adota a terceira definição da Organização Mundial de Saúde (OMS) de caso suspeito de coronavírus.

Clique aqui para ver a apresentação em Power Point feita na coletiva


Leia também:


A definição da OMS para que sejam testados pacientes internados com casos graves tem o objetivo de identificar uma eventual transmissão comunitária, que ocorre quando não é possível rastrear a origem da infecção. O Brasil ainda não tem registro de casos de transmissão comunitária. "Pode ser que possamos identificar a transmissão comunitária do vírus no Brasil, como o Canadá já fez. Por isso, aumentamos a sensibilidade da vigilância na busca por uma suposta transmissão comunitária do coronavírus, o que nos permitirá organizar melhor e mais rápido o nosso sistema operacional", disse o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo.

Para as pessoas internadas, os testes para coronavírus serão realizados independente de viajaram ao exterior ou contato no Brasil com casos confirmados. Nesta situação, serão investigados os pacientes internados em cidades com casos já confirmados de coronavirus e que apresentam quadro respiratório grave, ou seja, Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

A outra situação é a realização dos testes para coronavírus em pacientes com gripe leve, ou seja, Síndrome Gripal (SG), atendidos em uma das 163 unidades de saúde que compõem a Rede Sentinela (postos de saúde, Policlínicas e hospitais) distribuídas em todo país A prioridade também será para as cidades com casos já confirmados de coronavirus. Nessas unidades de saúde, os quadros gripais já são regularmente testados por amostragem para diversos vírus, e agora casos negativos também serão testadas para coronavírus.

“Com essas medidas, podemos identificar alguns casos de coronavírus que poderiam passar despercebidos pela nossa vigilância. As testagens serão realizadas tanto na rede pública de saúde como na privada, que deverá seguir o protocolo do Ministério da Saúde”, disse o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira.


Leia também:


O protocolo vai abranger ainda análise retroativa, a partir de 1º de março, de amostras coletadas em hospitais por Síndrome Respiratória Aguda Grave. O objetivo é identificar os vírus respiratórios circulantes, monitorar o atendimento dos casos hospitalizados e os óbitos para subsidiar decisões e novos posicionamentos do Ministério da Saúde e Secretarias de Saúde Estaduais e Municipais.

A coleta da amostra vai servir também para compreender o perfil viral do coronavírus. Isso permite saber a sazonalidade de maior circulação do vírus, a transmissibilidade e comportamento no Brasil, e, assim, organizar melhor o sistema de saúde nacional. “Esse será o grande legado que o coronavírus deixará para o sistema de saúde brasileiro, como ocorreu com a pandemia de influenza A H1N1, em 2009, que proporcionou ao mundo o desenvolvimento de vacina e medicamentos utilizados atualmente para o enfrentamento da doença”, disse o secretário de Vigilância à Saúde do Ministério da Saúde.

BALANÇO DOS CASOS

O número de casos confirmados de coronavírus no Brasil se manteve o mesmo nesta segunda-feira (9/3), de acordo com as informações repassadas pelos estados até 12h. São 25 casos confirmados da doença, sendo 4 por transmissão local e 21 casos importados. Atualmente, são monitorados 930 casos suspeitos e outros 685 já foram descartados. Os dados foram repassados pelas Secretarias Estaduais de Saúde.

Dos 25 casos confirmados de coronavírus no país, 16 estão em São Paulo, 3 no Rio de Janeiro, 2 na Bahia, 01 em Alagoas, 01 no Espírito Santo, 01 em Minas Gerais e 01 no Distrito Federal.

Para manter a população informada a respeito do novo coronavírus, o Ministério da Saúde atualiza diariamente, os dados na Plataforma IVIS, com números de casos descartados e suspeitos, além das definições desses casos e eventuais mudanças que ocorrerem em relação a situação epidemiológica.

PREVENÇÃO

Para evitar a proliferação do vírus, o Ministério da Saúde recomenda medidas básicas de higiene, como lavar as mãos com água e sabão, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e jogá-lo no lixo. Evitar tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas.

Acesse a página especial de coronavírus

Por Silvia Pacheco, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580 / 2351 / 2745

Fim do conteúdo da página