Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Tratamento DDA

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quinta, 27 de Março de 2014, 11h27 | Última atualização em Sexta, 11 de Dezembro de 2015, 11h24


Tratamento

 

O tratamento da doença diarreica aguda consiste em quatro medidas:

a) Correção da desidratação e do desequilíbrio eletrolítico (Planos A, B ou C)

b) Combate à desnutrição

c) Uso adequado de medicamentos

d) Prevenção das complicações

A avaliação do estado de hidratação do paciente com diarreia aguda independente da idade deverá seguir o cartaz “Manejo do Paciente com Diarreia”, do Ministério da Saúde, que orienta a escolha do tratamento de acordo com o grau de desidratação apresentado.

 

O tratamento da doença diarreica aguda consiste em quatro medidas:

1. correção da desidratação e do desequilíbrio eletrolítico;

2. combate à desnutrição;

3. uso adequado de medicamentos; e,

4. prevenção das complicações.

1. Correção da desidratação e do desequilíbrio eletrolítico

A hidratação por meio do sal de reidratação oral (SRO) vem contribuindo significativamente para a diminuição da mortalidade por diarreias. O esquema de tratamento independe do diagnóstico etiológico, já que o objetivo da terapêutica é reidratar ou evitar a desidratação. Na avaliação de um caso de diarreia, deve ser dada ênfase ao estado de hidratação do paciente para classificar a desidratação e escolher o plano de tratamento preconizado.

O paciente deve ser pesado, quando possível (sendo criança, pesá-la descalça e despida). O exame físico deverá ser completo e, em caso de criança, a mãe será orientada a reconhecer os sinais de desidratação.

Planos de tratamento

A avaliação do estado de hidratação do paciente orientará a escolha entre os três planos de tratamento a seguir preconizados:

 

2. Combate à desnutrição

A doença diarreica aguda causa desnutrição, caracterizada por anorexia e síndrome perdedora de proteínas. Após a avaliação, recomenda-se o aumento da ingestão de líquido, como soro caseiro, sopas e sucos; manter a alimentação habitual, em especial o leite materno e corrigir eventuais erros alimentares.

3. Uso adequado de medicamentos

 

4. Prevenção das complicações

Prevenir as complicações significa tratar convenientemente a desidratação (com o uso de terapia de reidratação oral ou venosa), ter uma dieta adequada e usar os antimicrobianos, quando indicados. Ainda assim, algumas complicações podem acontecer. É importante intervir prontamente nas complicações. Os procedimentos adequados irão depender do conhecimento da fisiopatogenia e das complicações de cada agente etiológico.

 

Medicamentos CONTRA-INDICADOS na diarreia aguda

*ANTIEMÉTICOS (Metoclopramida, Clorpromazina, etc.)

Podem provocar manifestações extrapiramidais, depressão do sistema nervoso central e distensão abdominal. Podem dificultar ou impedir a ingestão do soro oral.

*ANTIESPASMÓDICOS (Elixir paregórico, Atropínicos, Loperamida, Difenoxilato, etc.)

Inibem o peristaltismo intestinal, facilitando a proliferação de germes e, por conseguinte, o prolongamento do quadro diarréico. Podem levar à falsa impressão de melhora.

*ADSTRINGENTES (Caolin-pectina, Carvão ativado, etc.)

Têm apenas efeitos cosméticos sobre as fezes, aumentando a consistência do bolo fecal, além de expoliar sódio e potássio.

*ANTIPIRÉTICOS (Dipirona, etc.)

Podem produzir sedação, prejudicando a tomada do soro oral.

*LACTOBACILOS etc.

Não há evidência de sua eficácia, apenas onera o tratamento.

 

>> Cartaz “Manejo do paciente com Diarreia

>> Folder ACS

>> Uso do hipoclorito

Fim do conteúdo da página