Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

Início do conteúdo da página

Orientações

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quinta, 27 de Março de 2014, 15h30 | Última atualização em Segunda, 26 de Março de 2018, 16h15

Deve ser feito com polineurite pós-infecciosa e outras infecções que causam Paralisia Flácida Aguda. As principais doenças a serem consideradas no diagnóstico diferencial são: síndrome de Guillain-Barré, mielite transversa (Quadro 2), meningite viral, meningoencefalite e outras enteroviroses (enterovírus 71 e coxsackievirus, especialmente do grupo A tipo 7). Para o adequado esclarecimento diagnóstico, a investigação epidemiológica e a análise dos exames complementares são essenciais.

>> Tabela Elementos para o diagnóstico diferencial entre Poliomielite, Síndrome de Guillain Barré e Mielite Transversa

Diagnóstico

O diagnóstico da poliomielite deve ser suspeitado sempre que houver paralisia flácida de surgimento agudo com diminuição ou abolição de reflexos tendinosos em menores de 15 anos. Os exames de liquor (cultura) e a eletromiografia são recursos diagnósticos importantes. O diagnóstico de certeza será dado pela detecção de poliovírus nas fezes.

Aspectos epidemiológicos

Todas as pessoas não imunizadas, seja pela infecção natural, seja pela vacinação, são

suscetíveis de contrair a doença. A infecção natural ou a vacinação conferem imunidade duradoura para o sorotipo correspondente ao poliovírus responsável pelo estímulo antigênico. Embora não desenvolvendo a doença, as pessoas imunes podem ser reinfectadas e eliminar o poliovírus, ainda que em menor quantidade e por um período menor de tempo. Essa reinfecção é mais comum pelos poliovírus tipos 1 e 3. O recém-nascido apresenta proteção nos primeiros meses de vida extrauterina, pois é provido de anticorpos séricos maternos da classe IgG, transferidos da mãe sensibilizada para o feto por via placentária.

Viajantes

Recomenda-se a vacinação dos viajantes, conforme a situação vacinal encontrada a pessoas que se deslocarem para países com circulação de poliovírus selvagem e/ou derivado da vacina.

Para maiores informações, consultar NOTA INFORMATIVA Nº 90-SEI/2017-CGPNI/DEVIT/SVS/MS -  http://portalms.saude.gov.br/artigos/42726-pni-atualiza-as-normas-de-vacinacao-do-viajante-internacional-contra-poliomielite   

Fim do conteúdo da página