Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Práticas Integrativas e Complementares: quais são e para que servem

Malária grave e complicada por P. falciparum ou P. vivax

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Quinta, 03 de Abril de 2014, 11h10 | Última atualização em Quarta, 29 de Julho de 2020, 16h30

Embora a maioria dos casos de malária grave seja causada por infecções por P. falciparum, os casos provocados por P. vivax também podem acarretar doença grave e morte, seja por ruptura espontânea ou traumática do baço, complicações respiratórias ou anemia grave, especialmente em pacientes com doenças concomitantes, pacientes debilitados e desnutridos. Também não é raro que formas complicadas de malária vivax (com icterícia ou sangramento) estejam associadas a coinfecções, tais como a dengue.

A orientação da OMS é tratar adultos e crianças com malária grave (incluindo crianças menores/lactentes e gestantes em todos os trimestres de gestação e em período de amamentação) com artesunato intravenoso (IV) ou intramuscular (IM), um antimalárico potente e de ação rápida, por no mínimo 24 horas e até que possam tomar medicação oral (completar então o tratamento preconizado por espécie parasitária – respeitando as restrições de uso da primaquina) (Figura 3). Crianças com peso inferior a 20 kg devem receber maior dose parenteral de artesunato (3,0 mg/kg/dose) do que crianças com mais de 20 kg e adultos (2,4 mg/kg/dose) para garantir uma exposição equivalente ao medicamento.

>> Para mais informações, consulte o Guia prático de tratamento da malária no Brasil

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página